Symphogear XV, episódio 7

Bom dia!

A Miku ainda está “bem”, no sentido de que não está dentro daquela coisa, mas isso nem chega a ser exatamente uma boa notícia.

Independente daquilo ter ou não a Miku, as guerreiras symphogear precisam lidar com o troço.

Mas o episódio não foi delas.

Ler o artigo →

Bom dia!

Que totalmente inesperado que a Miku tenha sobrevivido! E que aquele sangue todo fosse do interventor maluco!

Brincadeiras à parte, uma coisa pelo menos foi inesperada: o sujeito foi desintegrado por chamas verdes após o ataque da Milaarc. Isso é um poder assustador. Quero dizer, ok, nesse caso ele morreria de qualquer jeito, mas será que ela pode usar essas chamas mesmo em cortes não fatais?

Bom, isso está muito longe de ser uma das questões relevantes do episódio.

Ler o artigo →

Bom dia!

Ao final desse episódio, para não variar, as coisas estão piores para as heroínas do que quando começou. Mas não muito piores.

Não teve nenhum grande golpe nesse episódio – exceto, claro, no final. Que no entanto pareceu mais “normal” quando cotejado contra o que já aconteceu nessa temporada e em outras.

Ler o artigo →

Bom dia!

Olha só, vou cobrir Symphogear de verdade dessa vez! Bom, sinto que essa temporada promete mais do que qualquer outra antes dela, então tem isso.

Mas será que há muitos fãs de Symphogear por aí? Será que ajudaria um guia? Você já conhece a franquia ou está tentando começar agora? Talvez já conheça e tem amigos que têm curiosidade, mas acabam assustados com a quantidade de temporadas?

Para todos esses casos, acredito que um bom guia resolveria. Será que devo escrever um? Responda aí nos comentários!

Ler o artigo →

Bom dia!

Nas primeiras impressões da temporada anterior, Symphogear AXZ, eu escrevi sobre como essa é uma franquia legal pois dá para começar a assistir por qualquer temporada que tá tudo bem.

É sempre bom assistir a primeira temporada antes, mas depois dá para assistir o G, GX ou AXZ sem grandes traumas. É mais divertido se assistir tudo, claro, e há continuidade entre as temporadas, mas não é fundamental para a experiência de curtir um bom anime de garota mágica com muita porrada e muita música.

Sobre essa quinta temporada, Symphogear XV, não posso dizer o mesmo. Eu totalmente recomendo que assista antes as demais temporadas, ou pelo menos leia um guia ou resumo (não é tão complicado).

E me parece normal que seja assim, porque essa temporada está com jeito de que será a última.

Ler o artigo →

Bom dia!

Está ansioso para a próxima temporada? Ou nem pensou nisso ainda?

Eu sei, os animes da atual temporada mal estão começando a entrar na reta final ainda, mas ei, já é junho! Se não começar a pensar agora, então quando?

Em todo caso, não sei dizer se estou ansioso porque não sei ainda o que pensar sobre a próxima temporada. Talvez mais animes sejam anunciados ainda em cima da hora (isso às vezes acontece), mas com pouco mais de 30 animes anunciados até agora, ela parece menor do que a atual, e bem menor do que a média dos últimos anos. Será que finalmente a indústria atingiu a saturação e está procurando o ponto de equilíbrio?

A questão é que com menos animes diminui a probabilidade de encontrar coisas que realmente me interessem. Ah, mas as encontrei, sim! E não são poucas!

Sobre a capa: fico impressionado com o quanto as pessoas se irritam quando alguém mata seus pais…

Ler o artigo →

Se pronuncia “Symphogear Axis”, e quando li essa explicação logo pensei “lol nazistas”. E parece que é isso mesmo, com os inimigos sendo uma tal Sociedade Bávara de… sei lá, esqueci, Sociedade Bávara de Fazer o Mal, deve ser algo assim. Digo, até onde pude ver provavelmente não são nazistas no sentido completo do termo ou mesmo em sua apropriação popular pela política rasteira, mas no sentido de “eles são vilões e alemães ergo eles são nazistas”. Talvez insiram algum paranauê supremacista ou xenófobo na história, mas isso está ainda para se ver.

Symphogear é Symphogear. Assisti o primeiro Symphogear e o achei muito bom para um derivado tecno-mágico de Madoka Magica, apesar do final covarde feito sob medida para permitir continuações. Que vieram. Como vieram. Nossa, se as continuações de Symphogear fizeram uma só coisa, essa coisa foi vir. Symphogear G teve uma fórmula parecida com o original, com vilãs que acabam se convertendo ao longo da história. Symphogear GX eu não sei como foi porque só assisti o primeiro episódio, mas presumo que tenha sido diferente porque só as garotas do original e do G estão no time dos mocinhos nesse começo de AXZ, nem sei que raio se deu da guria aparentemente vilã do começo de Symphogear GX. Já o AXZ é diferente. Digo, parece diferente. Eu pelo menos não vejo um caminho para redenção para as três bávaras ali. Enquanto a Chris, na primeira temporada, e a trupe da Maria, na segunda, eram movidas por motivos pessoais, íntimos, as garotas antagonistas de AXZ parecem estar agindo movidas por ideologia. Qual? Não sei.

Ao fim e ao cabo nada disso importa. Como eu disse, Symphogear é Symphogear, e esse episódio é um espetáculo de música e ação, tudo exagerado, elevado à enésima potência. Por isso que eu consigo assistir sem nem ter assistido o GX (e confesso que não vi o final do G também). É divertido. Acho que provavelmente é melhor ter assistido pelo menos a primeira temporada, mas aposto que dá pra ver mesmo sem ela, então se você quer um anime de ação insana com garotas com armaduras e armas de batalha que crescem e se transformam em qualquer coisa quanto mais alto e com mais vigor elas cantam, assista Symphogear AXZ.

Segundo artigo da minha série de primeiras impressões. No anterior tratei de Gangsta, Game of Laplace e Okusama ga Seito Kaichou!, dê uma lida nele se ainda não o tiver lido.

Não deu para ter uma ideia bem formada sobre do que se tratarão, afinal de contas, Gate e Classroom Crisis. Symphogear GX por outro lado, inclusive e principalmente por ser uma nova temporada de uma franquia já estabelecida, é bem menos misterioso. Gate é sem dúvida um anime militar e tenta ter uma dose de humor, embora não tenha funcionado muito bem nesse primeiro episódio. Classroom Crisis não consigo dizer o que ele seria “sem dúvida”. O primeiro episódio tem uma dose razoável de ação, mas muito me faz crer que esse não será o tom da série, o que me deixa com a dúvida de qual será, então, esse tom. Symphoger GX é só questão de descobrir o vilão e suas motivações, o que já começou a ser feito nesse próprio episódio (a menos que haja um vilão por trás do vilão, o que não é impossível). Mas bom, chega de generalizações. Leia a seguir minhas opiniões sobre cada uma dessas estreias:

Ler o artigo →

Na última hora sim, mas também o mais completo Guia da Temporada! Quarenta e um animes, mais de cem trailers, informações técnicas, sinopse, e as opiniões dos editores anime21 sobre cada estreia da temporada de verão! E se a temporada passada marcou um retorno tímido de Cavaleiros do Zodíaco, com uma série quinzenal, nessa outro clássico está de volta e com força total: Dragon Ball, com previsão de cem episódios (dois anos de série).

Outros destaques que chegam cheio de expectativa nessa temporada são Over Lord, Prison School e Ushio to Tora. Ok, esse último sou eu que coloquei aí, não está vindo com tanto hype, mas dê uma olhada nele aqui nesse guia e entenda porque deveria ser um dos mais esperados da temporada. Várias novas temporadas também além de Dragon Ball Super: Aquarion Logos (depois de três anos do Evol), Durarara!!x2 Ten, Fate/kaleid liner Prisma Illya 2wei Herz!, Gatchaman Crowds insight, Non Non Biyori Repeat, Symphogear GX, continuação de The [email protected] Cinderella Girls, To LOVE-Ru Darkness 2 e Working!!! (depois de 4 anos da segunda temporada). Da temporada atual, continuam o já citado Cavaleiros do Zodíaco: Soul of Gold e também Arslan Senki, Denpa Kyoushi, Kyoukai no Rinne, Ore Monogatari!! e, se entendi direito, Sailor Moon Crystal também continua.

É mais uma temporada cheia de haréns, comédias românticas escolares, uns ecchis bem mais safados e alguns slice-of-life tranquilos ou de comédia, mas se fosse para escolher, eu diria que essa temporada é das fantasias. Seis novos animes, bem diversos, se enquadram nesse gênero: o shoujo romântico e com um pouco de aventura Akagami no Shirayuki-hime (muito parecido na premissa com Akatsuki no Yona, se gostou desse, acho que vai gostar de Shirayuki), Arslan Senki que continua, o ecchi honesto Bikini Warriors, Chaos Dragon (escrito a partir de uma aventura de RPG de mesa!), Gate, que leva personagens e armamento militar contemporâneos para um mundo fantástico, o super esperado mundo virtual de Over Lord e Rokka no Yusha, uma fantasia mais normal no meio de tanta coisa diferente mas com uma estética muito legal, sério mesmo, dá uma olhada nos trailers.

Espero que esse guia possa lhe ser útil para escolher o que assistir nessa nova temporada. Eu e a Lidy nos esforçamos bastante e colocamos tudo de nós nele, e nada poderia nos recompensar mais do que saber que ajudamos alguém a tomar uma boa decisão sobre o que assistir. Sem mais enrolação, fique agora com o Guia da temporada de Verão de Animes de 2015!

Ler o artigo →