Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá, pessoal! Aqui quem vos escreve sou eu, Tamao-chan, e estou aqui para fazer o primeiro post de Fuuka! Infelizmente não escreverei tanto aqui esta temporada (assim como o Fábio, ou o Flávio) por causa da minha rotina mesmo que vai dar um plot twist (acredito eu), mas continuarei firme e forte às semanas que se seguem!

E este anime me deixou surpresa. Primeiro porque fazia muito tempo em que não via um ecchi, então eu tinha ficado com o pé atrás. MAS, PORÉM, CONTUDO, TODAVIA, ENTRETANTO não (e repito, NÃO) é aquele ecchi que vai atrapalhar na história. São situações casuais que acabam acontecendo, e já já falarei sobre isso. E outra: é um anime slice of life que parece que vai ter um triângulo amoroso no mínimo. Ou seja, seriam DOIS fatores para eu não ver o anime. Mas parece que nesse anime é um fator crucial na história.

Ler o artigo →

Eu esperava mais. Ah, eu esperava muito mais. Mas nem precisava tanto a mais, eu sou razoável: bastava que o anime tivesse me dito qual é a sua história, afinal. É sobre a expansão militarista alemã? É sobre a ambição de alguém? É alguma missão especial que terá que ser realizada em meio a esse mundo cruel, conflagrado em guerras? Não há nenhuma pista de qual seja a história.

Mas isso não é um crime, muito menos algo raro, incomum. Pode ser uma história focada nos personagens apenas, não é? Ao invés de uma grande narrativa maior que seus agentes. Poderia até ser um pouco de cada mas partindo daqui, pelos personagens, para criarmos empatia com eles ou por qualquer razão gostarmos deles. Começa então pela protagonista. Aquela menina irritante com voz forçada de criança que está o tempo todo agindo como uma militar fria que cumpre ordens e executa missões e fica irritada com insubordinação. Na verdade, pela cara dela parece que está irritada o tempo todo, mas vá lá. Ela é o Goku de Youjo Senki, terrivelmente mais poderosa que qualquer adversário ou aliado, famosa e poderosa, com sua fama sendo superada apenas por seu próprio poder. E é só isso que ela é. Ah, no final do episódio deu-se a entender que ela é sádica também. Uau, agora sim me ganhou hein. Não.

Tem uma só personagem secundária relevante, e ela está lá apenas para cumprir a cota da peituda estúpida. Com direito a cena dela fechando o zíper por cima dos peitos com ligeira dificuldade e tudo. Mas além de peituda e estúpida, devo mencionar que ela é bastante inocente e está sempre esperando o melhor da loli protagonista. Sei lá porque ela espera algo de bom vindo dela, mas ela espera. Talvez ela só tenha conhecido a protagonista nesse episódio também, como eu. Ela tem um nome russo, apesar de ser uma alemã morena e de baixa estatura, contrariando os estereótipos de russas em animes e gerando ruído desnecessário. Sério, eu não quero ter que pensar porque raios ela, que em nada se parece com uma russa de anime, tem nome russo. Youjo Senki não merece que eu fique curioso com isso. E para completar, ela é mais feia que bater na mãe. O character designer mirou na Ochako, de My Hero Academia, e acertou no Kiko, do Chaves.

Mas nem consigo dizer que esse é o maior dos problemas de Youjo Senki já que tirando ela e a protagonista, as duas únicas garotas do anime, todo mundo tem um design razoavelmente realista, o que as torna terrivelmente destoantes do resto do cenário, diminuindo ainda mais a minha suspensão de descrença. Digo, diminuiria minha suspensão de descrença, se existisse ainda alguma a essa altura. Só não dou uma nota mais baixa porque foi apenas o primeiro episódio e sei lá, o cenário tem potencial. Vai conseguir me surpreender ainda, Youjo Senki?

Ler o artigo →

Olá, pessoal! Aqui estou eu, Tamao-chan, fazendo um post meio diferente. Não é um artigo de apostas, não é um artigo semanal, não são primeiras impressões, enfim. É um artigo singelo sobre o Tsuzuku Anime Awards 2017!

“Mas o que diabos é isso?”, alguns de vocês devem estar se perguntando. O Tsuzuku Anime Awards “é uma premiação anual feita pela Academia Tsuzuku com finalidade crítica, debate e informação tanto para o público quanto aos outros colaboradores da área.”

“E não é uma coisa difícil?” Bem, sim, em se tratando de 40 categorias. Mas a categoria de mangás não será considerada, pois este é o Anime21, e o Anime21 conta exclusivamente com artigos sobre animes.

Mas, enfim, vamos nos preparar para o que vem, já que há muitas categorias pela frente!

Ler o artigo →