Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Sei que eu tenho feito apenas elogios a esse anime, mas finalmente chegamos em um ponto em que eu realmente fiquei com um pé atrás sobre o rumo que a história estava tomando. Fiquei com um medo tremendo de me decepcionar com o que iria vir, porque afinal eu estou me sentindo um pouco apaixonada por todas essas aventuras da Akko. O que me deixou assim, com um pé atrás, foi simplesmente o fato de que tudo está dando certo magicamente, literalmente, para a protagonista. Eu não acho isso totalmente ruim, mas acontecer o tempo todo fica um pouco chato, porém quero começar esse texto a partir de uma análise disso, espero que entendam o meu ponto de vista.

Ler o artigo →

Olá, pessoal! Aqui estou eu, Tamao-chan, trazendo mais um artigo sobre Uchouten Kazoku para a Sessão Vintage!

Faz anos que eu vi (3 e meio para falar a verdade), mas este anime não cansa de me surpreender. Tem uma quantidade enorme de carga cultural e pesquisas a serem feitas. Neste segundo episódio, quem ainda tem vontade de ver o anime, perceberá que aconteceu algo de estranho com o segundo irmão mais velho, e ele é o que mais se sente culpado pela morte de seu pai. Ainda mostra o medo da mãe dos tanukis da “Família Excêntrica” (que é o nome traduzido da obra) e dois irmãos que ainda vão dar muito trabalho.

Avisando que tem alguns spoilers a seguir.

Ler o artigo →

Acho complicado contar histórias com protagonistas que já são desde o começo super-poderosos – e isso não se limita a poderes sobre-humanos ou que desafiem as leis da física; personagens super-inteligentes como o Lelouch se qualificam como super-poderosos também para o propósito dessa argumentação. Lelouch, que já era super-inteligente, ganhou o poder psíquico de fazer qualquer um com quem tenha contato visual obedecê-lo. Como contar uma história assim? Ele pode simplesmente sair andando pelo campo de batalha, como ele fez, e distribuir ordens para todos, amigos e inimigos. Deu certo!

Por outro lado Code Geass fez um esforço (mínimo, mas mesmo isso já é mais do que muitos outros, como o mais recente Aldnoah.Zero, só para citar um exemplo) para explicar como seu protagonista poderia ser um gênio tático. É simples: ele é um gênio do xadrez, jogo que ele joga há provavelmente muitos anos, ampliando e polindo suas habilidades. Lógico que um campo de batalha não é igual a um tabuleiro de xadrez, e o próprio anime reconheceu isso, mas pareceu-me verossímil a suposição de que alguém muito bom em um já saia de início com vantagem no outro.

Ler o artigo →