Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

A família Zoldyck, se você achava a família do Gon meio estranha, a do Killua supera isso. Mas pra ele a família dele é normal, porém é estranha pra nós. Digo, deve ser normal pro Killua, porque foi a única família que ele teve. Adivinhem de quem iremos falar? Isso mesmo, deles. Bom, esse post não vai ter todas as informações deles, por dois motivos: 1 –  porque a gente não tem toda a informação da família (os arcos futuros cobrem o buraco que esse arco criou), 2 – porque pessoalmente só tem dois personagens que valem a pena de possuírem arquétipos: Illumi e Killua. O resto, digamos que com certeza possui algum arquétipo, porém, não é necessário mostrar isso pro público, outros personagens mais atrativos e úteis pra história podem fazer o trabalho deles. Triste, mas nem tanto. HxH às vezes parece mais um casos de família que um mangá de porrada.

Ler o artigo →

Esse anime é alguma coisa sobre robôs, pessoas mortas, super-poderes e como eu estou dando um azar danado nos meus artigos de primeiras impressões.

Bom, na verdade acho que tem alguma metáfora muito profunda sobre juventude, confiança, e relacionamentos interpessoais. Eu não sei, eles são japoneses, então talvez eu não tenha entendido nada mesmo. Mas tem a ver com rituais de passagem, não tem? Muitos animes adolescentes ou com protagonistas adolescentes são rituais de passagem, desde os escolares mais óbvios até jornadas insanas cheias de ação como Gurren Lagann.

Quando se é adolescente ainda não se tem controle sobre a própria vida mas já começa o processo de desenvolver um senso de justiça e um conjunto de valores morais próprios, independentes daqueles adquiridos no meio familiar, e se for pensar bem, isso é algo bastante solitário. É como sair de casa. Escolhas, essa é a palavra-chave. Adolescentes ainda não podem fazer muitas escolhas, mas já podem fazer algumas, sendo as mais importantes delas aquelas sobre com quem se relacionar, em quem confiar. Não pode ser qualquer pessoa, pode? Ao dar o primeiro passo para fora de casa e ver esse mundo vasto e assustador, é natural querer encontrar segurança em alguém que tenha valores iguais e esteja fazendo essa mesma jornada. Mas como achar essas pessoas?

Isso soa incrível, mas é só incrivelmente prepotente. Do anime, se for isso mesmo, de mim, por achar que vi algo nesse sentido, ou de ambos. A animação não ajuda. Sempre me acende uma luz de alerta quando assisto um anime desse gênero e Charlotte parece ser melhor. Parece – me que tentaram criar um clima ermo, árido, e bom, conseguiram – e esse é o problema. Os protagonistas sequer se olham enquanto conversam, parecem congelados no tempo e no espaço, é muito estranho. Mas talvez melhore conforme eles aprendem a confiar um no outro? Dá uma olhada na galeria abaixo para ter uma noção.

Ler o artigo →