Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

A família Zoldyck, se você achava a família do Gon meio estranha, a do Killua supera isso. Mas pra ele a família dele é normal, porém é estranha pra nós. Digo, deve ser normal pro Killua, porque foi a única família que ele teve. Adivinhem de quem iremos falar? Isso mesmo, deles. Bom, esse post não vai ter todas as informações deles, por dois motivos: 1 –  porque a gente não tem toda a informação da família (os arcos futuros cobrem o buraco que esse arco criou), 2 – porque pessoalmente só tem dois personagens que valem a pena de possuírem arquétipos: Illumi e Killua. O resto, digamos que com certeza possui algum arquétipo, porém, não é necessário mostrar isso pro público, outros personagens mais atrativos e úteis pra história podem fazer o trabalho deles. Triste, mas nem tanto. HxH às vezes parece mais um casos de família que um mangá de porrada.

Curta o anime21 no facebook:

Começando pelo arco, é basicamente a continuação do que rolou no arco passado. Killua é obrigado a matar um dos competidores do teste de Hunter no que eventualmente leva ele a ser desqualificado. Por ordens do irmão mais velho dele, Illumi, ele volta pra casa dele. Gon, frustrado em saber dessa história vai até a casa do Killua pra “animar” ele. Nada de estranho aqui, tirando o fato de todas as bizarrices que acontecem no arco e os animais estranhos da casa do Killua.

Olha aquele bebê chapadão ali

Vamos falar do Killua. Como eu já comentei no post passado,  Killua é meio que o oposto do Gon. Se o Gon está vivendo a melhor fase da vida dele, Killua está voltando pra pior fase dele. Enfim, vamos explicar direito melhor isso, eu poderia ter explicado antes, mas seria um spoiler. Na verdade não spoiler, mas sim uma previsão. No arco passado víamos um Killua se divertindo, feliz, o normal pra uma criança, porém, na realidade percebemos que ele não é assim. Vindo de uma família de assassinos, Killua nunca viveu uma Era de Ouro, já começou a vida na Era de Ferro. Bom, ele deve ter uma Era de Ouro, sei lá. Vai que o avô ou o pai dele decidiu ter esse emprego pra proteger a família de um mal pior? Se for algo assim e o Killua decidir ajudar a família a superar essa ameaça, bem… isso é uma Era de Ouro. Mas como não sabemos se algo assim existe, vamos falar que ele vive a Era de Ferro e estava em transição pra Era de Ouro dele. Infelizmente, ele participa do mesmo exame que o Illumi, e ele percebe isso. Pra quem ainda não sabe, Illumi foi uma figura importante na vida do Killua, acho que é seguro falar que tem mais influência que o próprio pai. Eu até poderia falar do Illumi, porém, digamos que ele tem o próprio destaque nele, em um outro arco mais pro futuro.

Um bando de justaways

Então enquanto isso, vamos falar do Killua. O fato do Killua descobrir que ele pode sim ser feliz, e ir buscar a felicidade é um arquétipo conhecido como “A Perda da Inocência”. Sim, esse mesmo. Geralmente, nós vemos que esse arquétipo é usado diferente, digamos que é o contrário. Geralmente o personagem vai de feliz pra triste, e não de triste pra feliz, porém, como o Killua não sabe o que é uma Era de Ouro, esse arquétipo é válido pra ele. A Perda da Inocência é quando o personagem recebe um choque de realidade que quebra o mundo dele. Um exemplo que já usamos aqui é quando o Ed descobre que a Nina virou uma quimera, esse é clássico. Porém o Killua tava quase perdendo… ou melhor dizendo, recuperando a inocência dele até o irmão chegar. Ah sim, só queria falar que é interessante esse acontecimento pra série, porque ele recupera a atmosfera que o anime deveria ter desde o começo. Até essa parte do anime, faltava um “ar de sério” que o anime oferecia, mas falhava em transmitir 100% esse sentimento. Então, o Illumi fazer o Killua recuperar a inocência dele voltando pra casa, mostra que o anime começa a mudar de direções. Não só o Killua e o Gon mudam, o Leorio e o Kurapika também, o que leva a outra coisa que falei antes, Leorio, Kurapika e o Killua compartilham o mesmo arquétipo. Como eles têm personalidades diferentes, eles podem não se entender tão bem, mas só o fato deles participarem desse arco acabam sendo desenvolvidos também. Enfim, voltando ao arquétipo, a única similaridade entre ele, o Leorio e o Kurapika, é que os três ainda têm a inocência deles sobre o Gon. Não importa o que aconteça, o impacto que o Gon teve nos três vai ser provavelmente eterno. O que eu quero falar é que mesmo o Killua sofrendo “preconceito” da família dele, ele ainda estava bem determinado em continuar a acreditar que o Gon é amigo dele, enquanto isso, Leorio e Kurapika confiaram fielmente aos pedido do Gon, um exemplo sendo quando o Gon levou um cacete da Canary. Não to falando que os dois são escravos do Gon, só falo que eles respeitam os sentimentos dele da mesma forma que o Killua o admira.

Então, de relevante sobre arquétipos são só esses acontecimentos mesmo. Esse arco é bem curto, fazendo que ele tenha tempo só pra melhorar uma coisa. Não é ruim, esse arco fez isso muito bem.

Enfim, pretendo parar por aqui mesmo. No próximo arco temos aquele prédio que tem várias tretas e pá.

Comentários