Bom dia!

Acho que tem um poema famoso, mais ou menos assim, que expressa bem o que eu penso desse episódio:

Rosas são vermelhas
Violet Evergarden quando trata de guerra
é uma porcaria

LISPECTOR, Clarice

Posso estar enganado em um ou dois detalhes, mas bem, não é Violet Evergarden que irá poder me acusar de “errar detalhes”, não é?

Antes de começar a malhar o episódio propriamente dito, vou dizer o mais importante: mesmo se fosse um excelente retrato da guerra, em qualquer época ou lugar, Violet Evergarden não deveria ter um episódio desses. A razão é simples: Violet Evergarden não foi sobre guerra até agora. É sobre o pós-guerra, é sobre uma criança que teve a sua infância roubada e, agora que a guerra acabou, tenta encontrar seu verdadeiro lugar no mundo. Sem dúvida não foi a melhor história sobre isso já escrita também, principalmente porque o formato episódico fez com que parte relevante do desenvolvimento pessoal da Violet ocorresse fora da tela, entre os episódios. O anime apenas nos pediu para acreditar que a Violet estava melhorando como ghostwriter ao mesmo tempo em que mudava como pessoa. Pontos dessa jornada foram mostrados, alguns mais importantes e outros menos, mas no mínimo o anime poderia se orgulhar de estar entregando histórias de dramas humanos verossímeis e cativantes, seja por sua beleza, seja por sua tristeza.

O escorregão no meio do caminho foi, claro, o arco em que a Violet descobriu que Gilbert estava morto. Que uma etapa tão importante para a história da protagonista tenha sido o ponto fraco do anime já deveria dizer muito sobre a qualidade do roteiro, mas o pior ainda estaria por vir. E eis que veio! Não só a Violet desse episódio não tem nada a ver com a Violet do resto do anime, ou mesmo com a Violet do infame arco do Gilbert, como até mesmo o que Violet Evergarden tentou fazer, um episódio de conflito terrorista, foi muito ruim. Mesmo quando esteve tão sobrecarregada de dúvidas e tristeza que considerou se matar, a Violet chegou à conclusão que o caminho dela era ser uma ghostwriter. Agora ela voltou a ser um soldado – ou melhor, está tentando ser o Batman, porque soldados matam, só o Batman não mata.

A premissa é ilógica: todos os países do continente querem a paz, mas se um grupo minoritário e isolado de terroristas matarem um enviado, eles vão entrar em guerra de novo. Por quê? Talvez eles não queiram tanto a paz assim – não é o que o anime faz parecer, porém. Talvez esses terroristas tenham um plano maior que envolva botar a culpa pelo atentado em alguma nação – mas o anime também não faz parecer que seja esse o caso. A história toda é muito ruim e não se sustenta.

Os terroristas em si são ex-soldados que, aparentemente, não concordam com os termos de paz. Dizem que defendiam o povo, e agora a nova elite governante os ignora e quer paz. Bom, o povo parece estar feliz com isso, quem é que iria querer guerra? E eles são retratados como o outro lado do Aidan, o soldado que foi morto no episódio anterior. Uma história trágica sobre como mesmo os soldados em uma guerra não são senão, em certa medida, inocentes, vítimas circunstanciais da ambição de senhores da guerra. Isso em si é uma história interessante, que eu gostaria de ver, e tem a ver com a Violet, mas não é dessa forma que eu gostaria de ver. Pior ainda quando os terroristas são retratados como puramente perversos e vis. Diz seu líder de cara manchada que quer “destruir tudo”.

A expressão do Dietfried me representa, e isso me irrita

Outra coisa pela qual eu não posso defender esse episódio foi ter me feito simpatizar com o Dietfried. Um comandante da marinha é enviado para uma missão por terra. Por quê? Porque os exércitos já foram desmobilizados, o que a gente sabe que é verdade porque é o caso do Hodgins e da Violet, por exemplo. Mas se o tratado de paz ainda não foi assinado, por que o exército foi desmobilizado? Não faz sentido. Ele joga na cara dos grandões que só querem mesmo mandar alguém de sua família, e como seu irmão já morreu, bem. Talvez seja o caso. Não conheço eles, não sei como funciona a hierarquia de poder nesse país, não sei nada. E isso é um problema, não é? Bom, é um problema em primeiro lugar porque irrelevante para a Violet. Mas se vai fazer, faça direito.

Foi uma graça quando a Cattleya e o Benedict começaram a defender a Violet enquanto discutiam com o Dietfried. Não disseram nada de errado, o problema em si não foi esse. Bom, talvez em parte seja, porque não se importaram em defender a Violet como pessoa, mas como boneca, como um objeto, ela foi defendida na medida exata em que ela é útil para outras pessoas. Poderiam dizer que a Violet é uma graça, um amor de pessoa, que a companhia dela os agrada, mas não, tiveram que dizer que ela escreve cartas e elas são ó, supimpa! Mas o que realmente me incomodou nessa cena não foi esse tipo de defesa que fizeram da Violet, e sim terem, na prática, narrado o ponto de chegada do desenvolvimento da Violet. Você sabe, isso tudo o que a gente já assistiu no anime e já sabe que aconteceu. É como se o anime não confiasse que seus expectadores são capazes de entender o que estão vendo.

Não me diga!! Então foi isso que a Violet esteve fazendo em todos os episódios que assisti?? Estou chocado!

E não posso deixar de criticar também as lutas em si. O cara-manchada diz conhecer a Violet, e a teme por isso. Como resultado, manda seus homens a matarem. Eles estão armados com rifles, mas o que fazem? Atacam com suas baionetas. Violet está desarmada em um espaço confinado (em cima do trem), duas ou três salvas de tiros teriam dado cabo dela. Bom, no mundo real não teriam, mesmo daquela distância rifles podem errar e eles estavam em cima de um trem em movimento, provavelmente errariam todos ou quase todos os tiros, e se a Violet é o Batman ela conseguiria continuar lutando com um ou dois tiros apenas (ainda que tiros daquela arma, àquela distância, arranquem pedaços). Mas isso é ficção, isso eu posso aceitar, bem como a ideia de uma luta em cima de um trem. Mas não foi o que fizeram, de todo modo. Escolheram a luta corpo a corpo, na qual a Violet claramente tem enorme vantagem.

Por que atacaram a Violet desse jeito??

Só dominaram a garota e estavam a ponto de vencê-la por causa da tentativa imbecil da Violet de ser o Batman. Quero dizer, não tenho certeza, acho que nem o Batman se arriscaria naquela circunstância a salvar um inimigo, mas que seja, assumamos que sim. Ela é um soldado, não o Batman. O anime fala de guerras e mortes reais, e supostamente tenta afetar ares de moral cinzenta. Mas ela quer ser uma super-heroína. Adequado, já que seus adversários mais parecem vilões de cartum. E próximo episódio tem mais, já que esse terminou no nada, sem sequer um título. Aposto meu mindinho que a Violet vai escrever o tratado de paz e assim personificará ao mesmo tempo a imagem de vítima da guerra e pacifista convertida inamovível. Bom, isso se ela ainda tiver seus braços depois da explosão, né? Mas quer apostar…

Discussão