Bom dia!

Esse é o artigo de largada para a terceira temporada do Café com Anime – uma colaboração entre os blogs Dissidência Pop, É Só Um Desenho, Finisgeekis e este Anime21, representados pelo Gato de Ulthar, o Diego, o Vinícius Marino e eu, respectivamente, na qual conversamos semanalmente sobre alguns animes que estamos assistindo.

Eu e meus colegas discutimos sobre os episódios semanais de alguns animes selecionados, e cada blog fica responsável por publicar esses bate-papos para um anime em específico. Nesse artigo de expectativas apresentamos os animes que escolhemos e conversamos um pouco sobre o que esperamos deles, depois disso a distribuição dos animes pelos blogs será a seguinte:

O Gato de Ulthar irá publicar os bate-papos sobre Mahou Shoujo Site no Dissidência Pop; O Diego irá publicar os bate-papos de Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online e de Legend of The Galactic Heroes no É Só Um Desenho; O Vinícius Marino irá continuar publicando os bate-papos de Cardcaptor Sakura: Clear Card no Finisgeekis; E eu publicarei os bate-papos de Hisone to Masotan aqui no Anime21.

Continue lendo para saber o que esperamos desses animes!

Vinícius Marino:
Olha só, como o tempo passa! Já chegamos na terceira edição do Café com Anime, sua dose semanal de animes e bom papo. Eu sou Vinicius Marino, criador do blog Finisgeekis. E esses são meus colegas:
Diego:
Olá novamente a todos o/ Diego aqui, do É Só Um Desenho. E realmente, o tempo voa: parece que foi ontem que começamos esse projeto 😃
Gato de Ulthar:
Pois é, já estamos na terceira edição, passamos por muitas coisas, animes ótimos, animes bons, animes mais ou menos, e animes ruins (leia-se Kujira). Estou curioso para saber como nos sairemos nesta nova fase. Bom, vou me apresentar novamente, sou o Gato de Ulthar, do blog Dissidência Pop!
Fábio "Mexicano":
Mas precisam sempre me lembrar de Kujira? Blerg! Dessa vez o meu anime vai ser o melhor da temporada, vocês vão ver só! Fábio do Anime21 fazendo previsões aqui 😛
Diego:
Veremos se dessa vez vai 😃 Mas bom, já que você mencionou, quer falar um pouco do anime que você escolheu, Fábio?
Fábio "Mexicano":
Opa, opa, é pra já!

Hisone to Masotan

 

Fábio "Mexicano":
O anime que escolhi é tipo Como Treinar seu Dragão, mas no Japão contemporâneo e escrito por uma das roteiristas mais melodramáticas da indústria. Hisone to Masotan, com roteiros da Mari Okada e direção do Hiroshi Kobayashi, produzido pelo estúdio Bones. Antes de continuar, vejam o trailer:

Gato de Ulthar:
Eu achei esse anime muito simpático, o character design é bem bonitinho, e teve choro de todas as personagens já no trailer, espero um dilúvio com este anime!
Vinícius Marino:
Sou um grande fã de Como Treinar o Seu Dragão e da Mari Okada. Win-win para mim
Diego:
Como Treinar o Seu Dragão é um dos melhores filmes animados da Dreamworks, basicamente. Mas falando desse anime, eu não realmente sei o que esperar – fora o clássico melodrama da Okada. Parece que será uma história fofinha, ou pelo menos é a impressão que eu tenho com esse estilo de arte, ainda que a paleta de cores pareça também apropriada a cenas mais tristes, algo que provavelmente teremos em abundância rs.
Fábio "Mexicano":
Um slice of life profissional? Como as pilotas aparentam ser muito jovens, talvez um coming of age? O cenário militar tem cara de ser só pretexto, mas pode ter alguma importância também.
Gato de Ulthar:
Esse anime me lembrou um pouco Shoujo Shuumatsu Ryokou, não sei se somente pelo aspecto moe das personagens e o tipo de animação… Prevejo também bastante drama, como é bem a cara da Okada, com um slice-of-life com temática militar.
Fábio "Mexicano":
Acaba de sair a tradução de uma entrevista do produtor executivo e do character designer de Hisone to Masotan (eu preferia uma entrevista com a Mari Okada, mas ok)
Diego:
“Uma história sobre como as pessoas não podem sobreviver por si mesmas” (Aoki Toshinao, o character design). Interessante. Mas também bem comum, uma mensagem até que bem genérica, inclusive. Quero só ver como a entregarão.
Fábio "Mexicano":
Trazer só isso é sacanagem, né? Ele complementa: “Porém, não é ‘Se não consegue sobreviver sozinho então por que não se cercar de pessoas?’, é sobre encontrar alguém de quem você pode depender e aprender a viver junto com.”
Diego:
Não muda em nada o meu ponto, na real XD. É uma variante um pouquinho mais específica do trope “encontrar um lugar ao qual pertencer”. (só uma coisa: isso ta soando bem pior do que eu queria que soasse, não é como se eu tivesse odiado a premissa nem nada, ok? kkkkkk)
Fábio "Mexicano":
Acho que o cuidado em procurar a especificidade faz diferença. Você amou Yuru Camp, não foi? Eu gostei bastante também. Foi sobre fazer amizades e ter um hobby em comum. O detalhe que fez toda a diferença é que o anime nunca forçou as garotas a ficarem juntas, a coisa fluiu de forma natural, e mesmo depois que elas de fato se tornaram amigas e acamparam juntas, cada uma continuou fazendo suas coisas por conta própria do jeito que sempre fez também. Claro que não se compara um anime inteiro a uma resposta de um character designer, só estou tentando dizer como o detalhe é importante, e aposto que você não vai discordar de mim.
Diego:
Ah não, eu concordo. Só quis dizer que vai ser interessante ver que “spin” diferente a Okada vai colocar numa premissa como essa.
Fábio "Mexicano":
(É da Mari Okada. Ou vai ser um tédio, como Koufuku Graffiti, ou vai ser horrível, como Mayoiga ou M3, ou vai ser muito bom e melodramático, como Anohana, Kiznaiver ou Gundam Orphans; não existe meio termo com essa mulher)
Diego:
Mayoiga foi horrível, mas ainda foi divertido ver o quão horrível ele foi. É aquela história que por ruim que seja ainda assim não chega a te ofender. Mas eu aposto em algo mais pro melodrama relativamente bem executado.
Fábio "Mexicano":
Leva mais jeito de melodrama mesmo, por tudo o que foi revelado até aqui.
Gato de Ulthar:
Nem tem muito o que dizer, é uma premissa simples, mas e dai? Temos que esperar para ver o que vai sair disso tudo. E como o próprio Fábio disse, com a Mari Okada é oito ou oitenta, ou é bom ou é ruim, mas se serve de consolo, ela acerta mais do que erra.
Vinícius Marino:
Para um melodrama, um enredo bare bones pode ser até melhor do que uma trama complexa. Uma roteirista competente pode nos jogar direto onde interessa, apertar nossos botões sem perder tempo com malabarismos narrativos. A Mari Okada é essa roteirista? Não tenho certeza. Como vocês apontaram, seu trabalho é notoriamente inconsistente, embora eu precise lembrar que sua estreia na direção (Sayonara no Asa ni Yakusoku no Hana o Kazarou) têm sido bem avaliada. Por essa e por outras, prefiro ser otimista. Há uma chance que nossa querida Okada esteja encontrando seu ponto ótimo. E vale lembrar: quando ela acerta, acerta muito bem. Hisone to Masotan merece o benefício da dúvida, se nada mais
Gato de Ulthar:
No mais, se tudo der errado, ainda será um anime de garotas fofas pilotando dragões mecanizados 😛
Fábio "Mexicano":
Vai ser fofo que nem seu anime, né Gato?
Diego:
É o mahou shoujo dark da vez, não? Nos fale um pouco sobre ele, Gato 😛
Gato de Ulthar:
Pois bem, vi que fui colocado na berlinda!

Mahou Shoujo Site

 

Gato de Ulthar:
Neste novo Café com Anime finalmente estrearei um anime novo, Mahou Shoujo Site.
Gato de Ulthar:
Como o nome pode sugerir, trata-se de um anime de garotas mágicas, só que numa atmosfera muito mais “dark”. Está bem que mahou shoujos darks não são mais novidade, mas nunca é demais ver algumas garotas fofas sofrendo né? Sou sádico realmente 😛

Basicamente esse anime conta ahistória de Aya Asagiri, uma menina vítima de bullying na escola e que sofre abusos de seu irmão. Um belo dia, navegando na internet, ela dá de caras com um site muito “creepy”, que parece que a conhece e lhe dá a oportunidade de ser uma garota mágica. Não preciso dizer que nem tudo é uma maravilha quando se ganha poderes mágicos, e que muitas outras meninas, algumas bem psicopatas, também ganharam poderes, e que isso dá uma merda das grandes. Além disso, há um relógio com contagem regressiva, que prenuncia uma tragédia misteriosa.

Escolhi esse anime pois já li um pouco do mangá uns anos atrás e gostei bastante, não estou muito atualizado com a leitura, mas foi o suficiente para despertar minha atenção. Esse anime é uma incógnita, a história tem potencial e é bastante polêmica, mas tanto o diretor como o estúdio são completamente inexperientes, então, não descarto a possibilidade de ser uma bomba, mas vamos torcer para isso não acontecer!

Fábio "Mexicano":
Seu autor já é famoso pelo tema, o Vinicius escreveu um artigo muito bom sobre.
Gato de Ulthar:
Sim, ele é o autor de Mahou Shoujo of the End, outro mangá bastante famoso sobre garotas mágicas das trevas. Aparentemente esse é um tema que o autor aprecia bastante ☺️
Fábio "Mexicano":
Quem é que não gosta de ver garotinhas sofrendo?
Gato de Ulthar:
Ou fazendo sofrer, no caso de Mahou Shoujo of the End. Em ambos os casos eu aprecio bastante 😛
Vinícius Marino:
Os dois mangás do Kentarou Satou, Mahou Shoujo Site e Mahou Shoujo of the End, são interpretações violentas das garotas mágicas. Em alguns quesitos, muito mais brutais que Madoka, que ganhou fama por causa disso. São, realmente, histórias sobre sofrimento. Só que de uma forma muita mais cínica que em outros mahou shoujo. Como eu disse no meu artigo, bem poderiam ser fábulas sobre abuso e revanchismo. Poderiam, se fossem dramas. E aí está meu maior problema com Mahou Shoujo Site. Ele é tão sarcástico que confunde as bolas. E como aborda barras pesadíssimas (como abuso sexual e tortura) é de um mau-gosto tão descarado que nos dá culpa de assistir.
Fábio "Mexicano":
Talvez o anime mude um pouco o tom e melhore isso? Claro, aí virão os fãs do mangá reclamar, mas eu não ligo para eles. Acha possível resolver esses problemas de Mahou Shoujo Site só com direção?
Gato de Ulthar:
Eu nem sei se podem ser chamados de problemas propriamente ditos. Por vezes, no próprio anime, mesmo que adaptado ao pé da letra, dá uma impressão totalmente diferente pelo simples fato de ser uma animação. E a questão de achar as abordagens de mau-gosto é algo bastante subjetivo.
Diego:
Só vou dizer que vou pra esse anime com dois pés atrás 😛 Enquanto eu não gosto do termo “edgy”, ele bem define o que eu costumo esperar de obras demasiado focadas na violência: sangue pelo sangue e tragédia pela tragédia, tentando parecer mais maduro do que realmente é. Não sei se é o caso com Mahou Shoujo Site, e espero ser surpreendido positivamente, mas vou com expectativas baixas.
Fábio "Mexicano":
Diego já achou seu novo Junji Ito.
Diego:
Também não precisa jogar praga, Fábio :sob:
Gato de Ulthar:
Já perdi as esperanças de um dia agradar o Diego… ☹️
Fábio "Mexicano":
Isso é curioso porque eu achava que o Diego gosta de gatos…
Diego:
Eu gosto de gatos, mas não necessariamente dos animes que os gatos gostam 😛
Fábio "Mexicano":
Vou perguntar pra Mei e pra Miu (minhas gatas) de que animes elas gostam.
Diego:
Bananya, talvez? 😛
Fábio "Mexicano":
Talvez, elas gostam de dormir.
Vinícius Marino:
De fato, mau gosto está nos olhos de quem vê. Porém, é inegável que o Satou se esforça para chocar o maior número de pessoas possível. Enfim, tal como o Gato, não acho isso um defeito. É uma obra fascinante, que estou ansioso para ver. Só estejam preparados que ela foi feita para polemizar.
Gato de Ulthar:
Polêmicas são boas para o Café com Anime 😛 Outra característica interessante dessa obra, as garotas mágicas não possuem uniformes característicos!
Diego:
Não? Do tipo, elas não se transformam? Da pra ser mahou shoujo sem transformação? Isso não faria delas tecnicamente só… sei lá, bruxas? Estou confuso agora 😃
Fábio "Mexicano":
Essa é uma questão difícil em alguns casos. Tomem por exemplo O Serviço de Entregas da Kiki, Little Witch Academia ou Flying Witch: por todos os meios, nós provavelmente as chamaríamos de bruxas, mesmo que elas tenham alguns elementos de garota mágica. Märchen Mädchen, um anime da temporada de inverno, tem uma escola de magia, assim como Little Witch Academia, mas é esteticamente muito mais próximo ao gênero garota mágica. E nem vamos começar a falar sobre animes como Junketsu no Maria, Shuumatsu no Izetta, ou o que acabamos de cobrir, Mahou Tsukai no Yome. Mahou Shoujo Site, para mim, é garota mágica porque têm vários elementos clássicos do gênero, como o contrato, e alguns elementos novos, como a realidade cruel que as garotas mágicas enfrentam. E até se chama “Mahou Shoujo”!

Enfim, tudo isso para dizer que não é tão fácil distinguir, e provavelmente os japoneses distinguem ainda menos do que nós, já que as garotas mágicas surgiram a partir de uma bruxa ocidental, A Feiticeira. A gente tende a chamar de “garota mágica” quando soa mais “japonês” e “bruxa” quando parece mais “ocidental”, mas para eles talvez essa distinção não faça sentido para começo de conversa. Sei que o Vinicius pesquisou um bocado sobre isso também, talvez possa acrescentar algo ou me corrigir ☺️

Vinícius Marino:
Posso ser sincero? Acho que essa distinção só existe para você, Fábio. Um dos primeiros (senão o primeiro) mahou shoujo foi Mahoutsukai Sally. Mahoutsukai significa bruxa, feiticeira, maga. E a Sally, de fato, andava numa vassoura
Fábio "Mexicano":
O primeiro anime, segundo mangá. A abertura lembra muito A Feiticeira.
Vinícius Marino:
Que também era uma bruxa, não uma garota mágica. Embora viesse a antecipar muito do que se tornaria corrente no gênero
Fábio "Mexicano":
Mas eu não disse que existe ou deixa de existir. O Diego perguntou. Outros além dele certamente têm essa percepção também. “Algo” existe. Faz sentido separar? Quem separa? Quais os critérios? Eu falei que é complicado, só isso.
Vinícius Marino:
Bom, sobre Mahou Shoujo Site especificamente, elas se transformam de fato, mas não no sentido que vocês estão imaginando. Na série, as meninas viram garotas mágicas encomendando um báculo de um site (daí o título). Os báculos são a fonte de poder, não as garotas, de maneira que as garotas podem usar báculos de outras ou colecionar báculos de oponentes mortas. O problema é que isso drena suas energias vitais, por motivos que ainda não foram explicados no mangá.
Gato de Ulthar:
Lembrando que os “báculos” podem ser qualquer coisa. Desde revólveres, celulares e até marretas. Enfim, o que define a garota mágica é um objeto mágico com determinado poder. E se não me enganos elas ganham uma tatuagem né? Agora não me lembro direito.

Falando sobre roupas em mahou shoujos, lembrei de um anime muito singular, Uta Kata, onde a protagonista é uma garota mágica que possui um número limitado de transformações e em cada transformação ela possui um poder diferente e uma roupa específica.

Vinícius Marino:
Eu AMO Uta Kata! E sim, cada episódio possui uma roupa, que foi criada por um desenhista diferente da indústria. Um deles foi o próprio Ken Akamatsu, criador de Love Hina e Negima!
Gato de Ulthar:
E Sakura Cardcaptors é a mesma coisa que Mahou Shoujo Site em questão de vestimentas, a menina Sakura só usa roupas especiais por causa da Tomoyo, se não fosse isso, ela só usaria o uniforme normal… E falando em Sakura, creio que o Vinicius não irá abandoná-la no segundo cour de seu anime, estou certo?
Vinícius Marino:
De forma alguma! E acho que não estarei exagerando ao dizer que Sakura, até agora, foi uma das maiores surpresas do ano para mim.

Cardcaptor Sakura: Clear Card

 

Vinícius Marino:
E olha que não digo isso levianamente. Como fã inveterado de Sakura nos bons tempos, tinha terríveis pressentimentos. Meu medo é que Clear Card barateasse o anime original, como tantos reboots “nostálgicos” do mercado. Bom, nostálgico Sakura é, mas conseguiu agregar ao cânone de maneira tão singela que conquistou minha simpatia. Essa era a sequel com que meu eu de 11 anos sempre sonhou. E sou agradecido à CLAMP por ter me proporcionado essa experiência.
Fábio "Mexicano":
Outra possibilidade ruim que Sakura vem evitando era se tornar Tsubasa
Gato de Ulthar:
Esse é um ponto bastante relevante. Deixo registrado que eu gostei do universo expandido em Tsubasa, mesmo com todos os seus defeitos, mesmo assim, também não acho que o novo Sakura devesse se encaminhar para esse tipo de abordagem, visto ser um anime com uma atmosférica bem única, não combinando com viagens dimensionais e clones de clones.
Fábio "Mexicano":
Ah, nada contra Tsubasa (mentira, tenho algumas coisas contra Tsubasa), o ponto aqui é outro: se eu vim assistir Sakura, eu quero assistir Sakura, não Tsubasa.
Diego:
Eu nunca vi Tsubasa, então não tenho nada contra nem a favor 😛 Mas com essa onda de revivals na qual a maioria das obras é bem mediana (e olhe lá), eu fui pra Sakura com algumas ressalvas. Felizmente, ele de fato surpreendeu muito positivamente, e espero que essa sua segunda metade mantenha o padrão de qualidade.
Vinícius Marino:
Acho que Sakura emprestou o que precisava de Tsubasa, sem excessos. Um easter egg aqui e ali, os poderes novos do Shoran. Clear Card respeita seu passado, mas não se limita a ele. É mais do que posso dizer da maioria dos revivals.
Fábio "Mexicano":
É uma continuação legítima. Poderia ter saído um ano ou dois após o fim do original.
Diego:
Pouco antes de começar a ver Clear Card eu revi os primeiros episódios do anime original (o plano era rever tudo, mas né, cá estou 😛), e é incrível como Clear Card consegue capturar bem o “feel” do que era o anime original – talvez só com um pouquinho menos de comédia, por mais que ela ainda definitivamente se faça presente. Concordo com o Fábio, é uma continuação que bem poderia ter saído tempos atrás sem nenhum problema.

Agora, falando em termos do que esperar daqui pra frente – estas são as nossas expectativas, afinal -, tomara que o anime comece logo a responder as várias perguntas e mistérios que ele vem lançando desde o seu início.

Fábio "Mexicano":
Será que Sakura vai ter um meio-clímax?
Gato de Ulthar:
Realmente não sei, creio que não. Se fosse um anime maior talvez.
Diego:
Só se a Sakura descobrir que a pessoa mascarada é… er, podemos dar spoilers aqui? Pelo sim, pelo não, vou dizer “aquela pessoa” e ficar por isso mesmo 😛 Mas acho que mesmo isso virá mais para o final do anime (mas posso estar errado, né?)
Vinícius Marino:
Há de se lembrar que a maioria das cenas memoráveis da série original vieram na terceira temporada. E por um motivo: foi necessário viver nos pés dessas personagens por algum tempo para sentir seu poder. Será que esse novo anime, mais curto, repetirá o feito? Eu espero pelo menos uma grande cena emotiva, na linha do que tivemos na conclusão de A Carta Selada. E se não tiver nenhuma? Olha, muita gente têm criticado Sakura por ser morno demais. Mas eu preciso dizer que, de todos os animes que cobrimos temporada passada, esse foi o mais consistentemente bom. Houve episódios em outras séries que morderam mais fundo que Sakura (o décimo de Violet, por exemplo), mas essa nova produção ainda está por escorregar feio
Gato de Ulthar:
Esse é o ponto principal, Sakura é muito consistente em sua qualidade, se manter esse ritmo já estou por satisfeito, mas é claro que haverá pelo menos um clímax no final ao melhor estilo da série clássica, pelo menos é o que eu espero. E como o Diego disse, quando a Sakura e a Akiho se derem conta que estão se observando no sonho será um momento de tensão.
Diego:
Eu penso se deveria evitar o spoiler, enquanto isso o Gato vai e já joga logo dois 😛 Mas vou concordar com o Vinicius que dentre os animes da última “leva” do Café, Sakura foi o melhor de maneira geral.
Vinícius Marino:
Fico feliz de ouvir isso! Mas será que ele manterá o posto nessa nova temporada? Já ouvimos dos outros, mas e você, Diego? O que trará para a gente nessa nova edição?
Diego:
Mantendo nossa tradição de cinco animes discutidos, nesta temporada será a minha vez de trazer dois títulos para os nossos debates. Falemos do segundo muito em breve, mas vamos começar com aquele que parece ser um dos mais aguardados dessa temporada: Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online /o/

Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online

 

Gato de Ulthar:
Ele é um dos mais aguardados? Eu não tinha captado o hype dele…
Fábio "Mexicano":
Oh, esse é aquele tropo, “tenho uma notícia boa e uma notícia ruim”! Espero que essa não seja a boa…
Vinícius Marino:
Também conhecido como Call of Duty: Loli Warfare
Gato de Ulthar:
Eita.
Vinícius Marino:
Call of Duty sempre é popular….
Fábio "Mexicano":
Pelo menos ela é bem camuflada, de magenta
Vinícius Marino:
É a skin paga. Para mostrar para todo mundo que ela tem grana.
Gato de Ulthar:
Pena que pelo visto terá só uma loli! Só uma loli! Quando você coloca lolis com armas não pode só ter uma no anime todo não!
Fábio "Mexicano":
Se GGO se passar na terra dos doces ela é imbatível
Diego:
Podemos ver que a excitação é generalizada 😃
Fábio "Mexicano":
Bom, minha experiência com SAO não foi exatamente positiva
Gato de Ulthar:
Falando na camuflagem magenta da protagonista, me lembrou das camuflagens coloridas e chamativas que as meninas de Girls und Panzer usaram na primeira batalha:

E já adianto que deu merda essa disputa….

Fábio "Mexicano":
Em Girls und Panzer elas percebem logo o quanto cores berrantes são uma má ideia
Gato de Ulthar:
Sim.
Diego:
Sword Art Online não tem realmente a melhor das reputações, mas eu estou francamente esperançoso para com esse título. No mínimo eu espero que ele será bastante divertido, com algumas lutas legais. Como curiosidade, a light novel na qual esse anime de baseia foi em fato escrita pelo Keichi Sigsawa, o mesmo autor das light novels de Kino no Tabi. E se tem uma coisa que esse cara gosta, são armas 😃
Vinícius Marino:
Ou seja, é isso que nos aguarda:
Vinícius Marino:
Bom saber
Fábio "Mexicano":
Ahhh, o cara de Kino no Tabi, agora sim!
Diego:
Sobre a roupa dela: ao menos ela usa uma capa!
Gato de Ulthar:
Caramba, me rachei aqui com a lembrança do Vinicius. Mas se tem o cara de Kino no Tabi, faz um sentido do Diego ter escolhido esse anime.
Fábio "Mexicano":
Bom, a minha experiência com Kino no Tabi não foi exatamente positiva
Gato de Ulthar:
Eu nunca vi nada de SAO além de memes e gente falando mal, mas até que parece que vai ser no mínimo divertido.
Vinícius Marino:
Eu tenho tolerância zero com animes de “viagem aos MMOs”. Justamente porque tenho tolerância zero com MMOs.. E Kino… bom, deixou uma recordação amarga
Fábio "Mexicano":
Falando sério, se for só o trash de Kino no Tabi, e uma skin de loli magenta aponta nessa direção, talvez seja divertido
Gato de Ulthar:
Sim, e muito. E olhem isso, esta imagem indica que teremos mais de uma loli com armas, amém!
Vinícius Marino:
Ou podemos só ir ao cinema. Tem um filme muito bom com uma premissa parecida em cartaz
Diego:
A segunda loli ao menos parece mais bem preparada… Bom saber 😃
Fábio "Mexicano":
O Gato mora longe e estou sem dinheiro pro cinema ️
Diego:
Mas o que você tem contra MMOs Vinicius? .-. (São legais poxa… ao menos eu achava…)
Fábio "Mexicano":
(só gosto de .hack, o original; sou hipster do gênero isekai MMO)
Diego:
(poser, hipster de verdade é quem gosta do primeiro TRON 😛)
Fábio "Mexicano":
(eu sou weeaboo e só gosto de anime)
Gato de Ulthar:
Caramba, a segunda loli tem uma fucking lançadora de granadas!

Será um ótimo anime ☺

Diego:
O Gato sabe definir as suas prioridades 😃
Vinícius Marino:
A ideia dos MMOs é muito boa. Um mundo virtual onde podemos brincar com amiguinhos. Na prática, são caixas de skinner feitas para te viciar e te induzir a gastar dinheiro, povoadas pelos adolescentes mais tóxicos da face da terra
Fábio "Mexicano":
Hahahaha, o Gato você já conquistou, Diego
Fábio "Mexicano":
Ah, teve um legal em dezembro também! Aquele do diretor nazista … Net-juu no Susume
Diego:
Bom, eu nunca gastei grana com MMOs e passava o tempo andando por ai e subindo montanhas, então nunca tive uma experiência realmente ruim com os poucos que joguei 😛
Vinícius Marino:
Eu comprava esse maravilhamento com o virtual na era do Tron, quando a internet ainda era uma abstração. Ou em Jogador No 1, que deliberadamente sonha com um mundo diferente. Mas no run of the mill japonês fica difícil para mim separar. É tudo muito parecido com os milhões de jogos medíocres que o Japão vomita no mercado todo ano
Gato de Ulthar:
Sou do tempo do Tibia e olhe lá.
Vinícius Marino:
MMO é que nem droga. O primeiro trago é gratuito, mas quando você se dá por si, já está viciado. Dê graças a Deus por ter caído fora antes
Gato de Ulthar:
Foi o único jogo online que joguei frequentemente.
Diego:
Acho que existe a questão do contexto de SAO de maneira geral. A primeira novel data lá do começo dos anos 2000, então é compreensível a premissa. Por que exatamente o anime explodiu em popularidade com uma premissa dessas em fucking 2012 é algo que não poucas pessoas já tentaram responder, mas é fato que esse spin off só existe porque o primeiro SAO deu certo (sim, eu adoro falar o óbvio)
Fábio "Mexicano":
Se é pra se gabar, eu não queria falar nada não, mas por anos fui admin de um MUD, que é o avô dos MMOs e em modo somente texto
Gato de Ulthar:
A quem estou enganando, eu jogo muito World of tanks, tudo culpa de Girls und Panzer e as skins do anime no jogo….
Vinícius Marino:
O gênero hoje é super popular. E creio que o boom de isekai também ajudou. E também é algo que tem uma consonância com o público. Há muitos MMOs no mercado. Sobretudo no Japão, em que são disponibilizados até em mobile. Não é mais coisa de “nicho”, como os games eram no passado.
Diego:
Vamos e venhamos, o boom de isekai veio por causa do sucesso de SAO.
Vinícius Marino:
É um loop de feedback. Uma coisa reforça a outra.
Fábio "Mexicano":
Não exatamente. Já li um longo texto a respeito mas nunca vou achar o link agora
Gato de Ulthar:
Não consigo me interessar por isekais, todo mundo só fala nisso e chega a me dar náuseas.
Fábio "Mexicano":
O gênero isekai já era popular em light novels quando SAO explodiu
Gato de Ulthar:
O único isekai possível é Caverna do Dragão ☺️
Vinícius Marino:
Ni no Kuni, o game do Studio Ghibli, é um excelente isekai. Mas ele faz alguma coisa com o conceito. Não é só “uuuu, mundo de fantasia!”
Fábio "Mexicano":
Não se esqueçam de isekais clássicos dos anos 1990 como El Hazard e Caçadores de Elfas. Acho que .hack foi o primeiro que propôs que o “outro mundo” fosse um MMO
Diego:
Mas para a gente voltar de toda essa tangente que eu comecei, uma curiosidade interessante é que esse novo anime contará com uma equipe completamente diferente das outras temporadas de SAO. O estúdio responsável é o 3Hz, o mesmo de Flip Flappers e Princess Principal, e tanto o diretor quanto o roteirista aparentemente nunca trabalharam em SAO.
Gato de Ulthar:
Sei que estou sendo repetitivo e inconveniente, mas a outra loli está usando duas lançadoras de granada, isso mesmo, duas!
Fábio "Mexicano":
Hahahahahhaha Gato! Desempolga um pouco 😂 Parece criança com brinquedo novo!

Enfim, ser o mesmo estúdio sem ser a mesma equipe não significa tanto assim, exceto em raros casos. Mas ok, sejamos positivos: 3Hz, me traga mais um anime divertido com lolis, por favor! Pena que esse não é original, mas não se pode ter tudo

Gato de Ulthar:
Claro, se fossem somente lolis o anime seria muito melhor, mas como nem tudo é perfeito, acho que me divertirei com esse anime.
Diego:
Bom, o estúdio parece ser pequeno (se eu mencionar Dimension W e Sora no Method eu termino de falar tudo o que eles já produziram), e pelo menos o diretor já esteve previamente envolvido em Flip Flappers e em Princess Principal, então é alguma coisa.
Fábio "Mexicano":
Dimension W, não original, foi uma bagunça
Diego:
Mas ainda foi divertido, vai (ao menos eu achei alguns momentos bem legais)
Fábio "Mexicano":
Eu gostei. Mas nem se compara a Princess Principal. Ou aos 5 primeiros episódios de Flip Flappers (preciso terminar de assistir…)

Achei o artigo de que falei, e ele foca em light novels

Tem esse também, mais carne de vaca e cheio de besteira, mas ele fala de animes então serve de complemento para o anterior

Diego:
Bom, mas voltando ao anime em questão, eu diria que pelo menos Sword Art Online Alternative tem tudo para ser diferente das demais entradas na franquia. Os personagens são outros, o autor da novel original é outro, o estúdio e equipe por trás do anime também… Eu tenho esperanças de que será um anime promissor, ou, como já disse, no mínimo divertido.
Fábio "Mexicano":
Eu estou esperando um anime de MMO que só usa a marca Sword Art Online porque é conveniente, e isso é muito curioso. Aliás, conta aí, Diego, qual o mote desse, além de ser um Counter-Strike com uma jogadora com skin loli. Qual o drama da temporada, essas paradas. Ou você também não tem noção e só tá nessa porque é fanboy de SAO? 😃
Diego:
Não tenho a menor ideia 😛 Do pouco que vi a respeito, aparentemente é um drama bem mais pessoal – a protagonista é uma garota alta complexada com a própria altura, e justamente por isso usa no jogo o avatar de uma personagem baixinha. Mais do que isso eu não sei, mas espero que seja uma história mais focada nos personagens do que em alguma premissa de “jogo de morte” ou coisa parecida.
Gato de Ulthar:
Olha, eu até pesquisei alguma coisa sobre o plot desse anime, mas parece que vai ser algo mais “humano”, sobre um garota que quer ser aceita, sem reviravoltas de conspirações e coisas do gênero.
Fábio "Mexicano":
Se o Kirito não trair a Asuna com ela já vai ser 100% melhor. E como eles não existem nesse SAO até onde eu sei, isso é garantido.
Vinícius Marino:
Bom, se for algo mais humano, que eles mantenham o pé no chão e nos dêem um enredo simples, eficiente e sem firulas. Digno de um anime de ação. Digamos que já tivemos umas experiências ruins aqui mesmo no Café com animes que morderam mais do que conseguiam engolir
Diego:
Tenhamos fé nas lolis armadas 😛

Mas vamos lá, porque o novo Sword Art Online não foi o único anime que escolhi para nossas discussões semanais 😃 E o segundo título é um que tem tudo para ser um dos melhores ou piores animes dessa temporada: o mais novo anime de Ginga Eiyuu Densetsu, popularmente mais conhecido como Legend of The Galactic Heroes. E bom, vamos à pergunta: alguém aqui além de mim tem alguma experiência com o anime antigo?

Legend of The Galactic Heroes

 

Gato de Ulthar:
Eu só sei que é um marco dos animes, e uma das Space Operas mais relevantes do mundo das animações.
Vinícius Marino:
Idem. Um daqueles clássicos de que já ouvi falar em todo lugar, mas que nunca tive coragem para assistir.
Fábio "Mexicano":
Eu gosto de guerras espaciais. O único jogo que já comprei na Steam se chama Space Empires e é um jogo de estratégia por turnos com um puta micro-gerenciamento, você desenvolve tecnologias, projeta naves, coloniza planetas, asteróides, constrói satélites, sondas, estações espaciais, é uma loucura. Bom, Legend of the Galactic Heroes obviamente é muito menos complexo do que isso, mas o pew-pew pareceu bem bonito nos trailers (e dizem que eles eram horrorosos nos animes anteriores).
Diego:
Há um bom motivo pelo qual todo mundo lembra das discussões políticas e temas abordados pelo anime anterior: porque a animação em si variava entre “perfeitamente normal para a época” e “uh… ah se isso fosse feito hoje…” As batalhas espaciais caem bem nesse segundo quesito, sendo legais pelo lado da estratégia, mas não exatamente as mais visualmente estimulantes (ainda que eu diria que passam bem longe de “horrorosas”, isso já seria meio hiperbólico).

Felizmente, eu tenho fé no trabalho de animação do estúdio Production I.G., e imagino que teremos um anime consistentemente impressionante visualmente – e o episódio 1 parece comprovar essa hipótese (embora falamos mais dele quando da nossa discussão semanal rs). A nova adaptação aparentemente tem apenas dois pontos mais fracos: primeiro, o seu character design, que enquanto eu não acho nem remotamente tão ruim quanto a internet vem fazendo parecer, eu vou dizer que prefiro sim o anterior; e segundo, o seu tamanho, dado que serão apenas 12 episódios seguidos de 3 filmes, o que torna bem altas as chances da história terminar num baita clifhanger.

Fábio "Mexicano":
Um problema que um anime sobre guerra pode ter é táticas e batalhas que não pareçam verossímeis. O deslumbre visual ajuda a disfarçar isso, distraindo a atenção para o outro lado.
Diego:
Bom, eu não tenho reclamações quanto às táticas apresentadas no anime antigo – mas não sou nem de longe a pessoa mais qualificada para julgar algo do tipo 😛 Veremos o que vocês terão a dizer sobre elas nessa nova encarnação do título XD
Gato de Ulthar:
Estou muito curioso com esse anime, pelo trailer fiquei relativamente fascinado. Apreciei bastante a estética apresentada em LOGH.
Fábio "Mexicano":
Acho que nenhum de nós é especialista, mas isso não deixa de ser uma vantagem: se for algo tão sem sentido que nós acharmos que estão tomando decisões estúpidas, então devem estar mesmo muito ruins.
Vinícius Marino:
Eu não me incomodei com o character design. Ok, é bem mais genérico que o de sua versão original, mas também menos datado. LOGH é um anime dos anos 1980-1990 e deixa isto bem claro. Alguma modernização de visual seria necessária. De resto, tal como o Fábio também sou fã de jogos 4x de estratégia espacial. Se LOGH for tão legal quando uma partida de Stellaris, já me sentirei no lucro.
Diego:
Francamente não acho o visual moderno menos datado – talvez pareça isso por ser um visual mais recente. Se mais nada, acho o visual antigo bem menos “anos 80” do que muita coisa dos anos 80 rs (isso, claro, falando dos designs dos personagens).

Mas mudando um pouco o assunto, vou aproveitar para perguntar: o que acham do estúdio Production I.G.? Eu pergunto por ser um estúdio que eu tendo a gostar bastante, e que já entregaram pelo menos um outro excelente “revival” (antes disso ser moda rs), que foi Ghost In The Shell Stand Alone Complex.

Fábio "Mexicano":
Nada contra nem à favor, muito pelo contrário.

Tendo a não ter opiniões fortes sobre estúdios grandes que basicamente subcontratam toda a produção e não tem exatamente uma marca registrada, um tipo de obra ou gênero ou qualquer coisa que os seja intimamente relacionado.

Gato de Ulthar:
Também não tenho uma opinião formada, mas várias coisas que vi desse estúdio eu curti, bastante ou moderadamente, como o ótimo Shinreigari: Ghost Hound, além de outros como Tsubasa: Tokyo Revelations, Psycho-Pass, Ghost in the Shell, Blood-C, etc.
Vinícius Marino:
Eu também não tenho opinião formada, mas confesso que meu caso é singular. Eu raramente checo estúdios antes de ver animes. Sou meio aventureiro nesse sentido. Salto às cegas no que me parece interessante. Ok, vez ou outra eu quebro a cara. Mas é muito gratificante quando tenho uma surpresa positiva.
Fábio "Mexicano":
Eu até checo, mas como dificilmente me importo, nem me lembro depois. Poucos estúdios me chamam a atenção, acho que só Kyoto Animation, Trigger e Shaft mesmo, que têm estilos únicos e facilmente reconhecíveis. Enfim, se já estamos falando de estúdio acho que esgotamos o assunto 😛
Fábio "Mexicano":
Vamos passar às palavras finais? O que esperam da temporada como um todo, e das nossas escolhas em particular, essas coisas.

Encerramento

 

Vinícius Marino:
Olha, eu não me lembro de estar tão ansioso com uma temporada há um bom tempo. Acredito que essa tem o potencial de ser a melhor (e mais polêmica) edição do nosso café
Fábio "Mexicano":
Se Mahou Shoujo Site mantiver o nível (de polêmica 😃) do primeiro episódio, a coisa vai ser tensa!
Gato de Ulthar:
Tomara, acho que fiz a escolha certa de anime para acompanhar! Claro, que isso não seria suficiente sem o antagonismo do Diego em desfavor do anime 😛
Gato de Ulthar:
Mas tirando isso, todos os animes, penso eu, se mostraram interessantes, e essa será uma grande temporada do Café com Anime.
Diego:
Antagonismo meu em Mahou Shoujo Site e do Fábio e do Vinicius em SAO. Gato precisa pistolar em Hisone to Masotan pra manter o equilíbrio 😃 kkkkkk

Mas ao que tudo indica será uma temporada interessante. Mesmo fora do Café já tivemos algumas ótimas estreias, e outros títulos com potencial ainda por estrearem. Estou animado pelo que os próximos meses nos trarão ^-^

Vinícius Marino:
Eu digo o mesmo. Vejo vocês no Finisgeekis para nossa discussão de Cardcaptor Sakura!
Fábio "Mexicano":
Mal posso esperar pela estreia de Hisone to Masotan, espero que todos gostem. Ou se for para não gostar, que dê o que falar pelo menos!
Diego:
Quero só ver como serão as conversas de LOGH e SAO Alternative 😃 Vejo vocês no É Só Um Desenho o/
Gato de Ulthar:
E por último, vejo vocês no Dissidência Pop acompanhando Mahou Shoujo Site!
  1. Este café com Anime, está tão bom, que me sinto no dever de deixar um comentário.
    Começando pelo anime que o Fábio se mostrou tão interessado, Hisone to Masotan à primeira vista ele parece estranho (por causa do design mais simples e obviamente pela parte do dragão, mas tenho a esperança que o Bones e a Mari Okada façam algo especial com este anime (se bem, que conhecendo a Mari Okada, as chances de sair algo demasiado dramático é alta).
    O anime spin-off de SAO, tem tudo para ser interessante (não tendo o Kirito e a dama em perigo da Asuna, para mim já é algo espectacular). Eu como gamer e grande apreciador de armas de fogo, o primeiro episódio de Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online, foi um prato cheio. Desde da FN P-90 Belga (com Skin Magenta) da protagonista, à ArmaLite AR-15 do sniper que faz equipa com a protagonista e até mesmo às metralhadoras médias M240B – FN MAG do grupo que atacou a protagonista na primeira metade do episódio, os detalhes das armas e uniformes foram muito bons. Acredito que a protagonista deste SAO, será bem melhor que o Kirito, já que aparenta ter habilidade (ao contrário da habilidade máxima do Kirito que era o poder do protagonismo).
    Antes de passar para outro anime, obrigado SAO, por puxares o tema dos jogos online, por momentos pareceu que eu estava a ler a história dos mesmos, pela experiência dos participantes deste Café com Anime.
    Por último, este remake de LOGH, talvez não vá ser tão mau, como eu imaginava. Tirando o design ultra bishounen, a dublagem para atrair as fujoshi, o resto parece que irá ser minimamente interessante (nunca chegará aos pés da qualidade dos OVA dos anos 80 e noventa, mas talvez dê para passar o tempo).
    Com certeza que irei acompanhar aqui, os bate-papo de Hisone to Masotan. Também acompanharei os bate-papo do Diego sobre o remake de LOGH e do spin-off de SAO.
    Obrigado por este excelente Café com anime.

Comentários