Olá! Hoje irei analisar o segundo episódio de Saredo Tsumibito wa Ryuu to Odoru. Essa semana, apesar de entregar algo mais fraco do que em sua estreia, Saredo apresentou bons pontos para seu desenvolvimento futuro, além de dar uma boa apresentação da vida dos protagonistas.

Em seu início, o episódio começou um tanto misterioso. Como ficou explícito no episódio de estreia, existem dois grupos políticos que comandam a cidade de Eridana. Esses grupos estão em constante disputa por um território chamado “Alsok”,isso explica a cena inicial, que seria um líder do grupo dos Lapetodes, dando ordens de vingança contra um membro do grupo Dragão Tseberun. O que ficou bem explicitado ou melhor dizendo, o que tudo indica, é que seja o cardeal Mouldeen, que foi apresentado em um momento posterior e falou que traiu para uma melhora da cidade.

A reunião do grupo politico.

De uma dança com dragões, o anime passou, nesse episódio, a ser uma dança política. Fica muito claro as grandes tramoias que acontecem de ambos os lados governamentais, em busca de conquistar o povo, poder ou de derrotar aqueles que não lhes convém. Essa disputa política ainda vai render muito durante essa obra.

Falando um pouco de um dos grandes representantes do governo Dragão Tseberun, o cardeal Mouldeen. Ele deixa bem claro a situação de perigo que são os trâmites políticos na cidade. Inclusive em suas falas, deixa bem claro que traiu, enganou e derramou muito sangue para que pudesse ver a cidade mais feliz, o povo melhor. O cardeal também possui o seu próprio grupo de jushikiitas, intitulado de “Doze generais alados” que, pelo que se deu a entender, são bem mais fortes que Gayus e Gigina (ou Jardi que seria seu nome mais formal).

Os Doze Generais Alados.

A população da cidade aparece fazendo um protesto, que seria contra o “Acordo Tienlun”. Pelo que entendi seria uma espécie de supremacia humana, do grupo Lapetodes, que deseja evitar a coexistência com os povos Vaisen e dragonicos moderados. Esse acordo seria aquilo que evita o confronto total entre dragões e humanos.

Em seu decorrer, o episódio consegue ficar ainda mais parado, porém apresenta a relação de Gayus e um antigo amigo seu. Ambos tiveram algum problema grande no passado, os quais ainda não conseguiram superar. O problema de Gayus seria com relação a sua irmã.

Nesse bate-papo entre amigos, Gayus dá informações sobre Gigina: um especialista em espadas, de 13° nível e com uma peculiaridade bem incomum, que seria a de gostar de móveis.

Dá para ver que Saredo vem tentando emplacar um tom humorístico em algumas de suas cenas e pelo menos por enquanto, em minha opinião, vem falhando miseravelmente. Creio que o tempo cômico não seja o foco da obra, então vou dar um desconto e deixar passar sem falar muito.

Na parte final do episódio foi entregue a tão esperada ação. A assassina de jushikiitas foi apresentada e seu motivo para matar também, que seria para vingar a morte de seu amado. Pelo círculo da maldição da espadade Gigina, a assassina descobre que ele matou seu amado e começa a lutar para se vingar.

“Nidvork de Urz” a assassina de Jushikiistas

Com a apresentação dessa personagem, também fica exposto que devem existir vários tipos de jushikiitas, ela é do tipo gravitacional, já Gayus, um Jushiki de manipulação química. A batalha não teve nada demais e foi bem curta, porém serviu para ver o quão poderosa essa personagem é, já que conseguiu sair ilesa da batalha, em uma espécie de regeneração do seu corpo.

Algo que me deixou intrigado, foi à forma que a namorada de Gayus olhou para uma ficha dele, com algumas informações. Acho que posso estar estragando a surpresa, mas diria que algo bem interessante vem daí.

Pode ser apenas uma viagem , mas acho que isso não apareceria em vão.

Enfim, essa foi à análise do segundo episódio de Saredo Tsumibito wa Ryuu to Odoru. É uma obra com potencial, mas que tem que ser melhor trabalhada em seus pontos de ação para conquistar o público. Espero que daqui para frente isso ocorra.

E que comece a Dança com os Dragões!!!

Discussão