O que eu tenho lido sobre o pessoal chamar o anime de “Furuya no Ace” não é brincadeira. Bom, nem tem como discordar, já que o às é ele e, como o Koshien de Primavera é bastante midiático, normal darem destaque àqueles jogadores que fazem alguma diferença.

Sawamura se sentiu mordido de inveja (branca, lógico) por não terem lhe dado algum foco. O único destaque que ele teve de início de temporada foi quando ele jogou a bola de uma forma que ela saiu fraca e rolando no chão. Claro que ninguém quer cometer o erro de mostrar algo tão crasso, não é mesmo?

Furuya, ao contrário, já começou em sua melhor forma, arremessando a mais de 150 km/h. O pessoal prefere algo mais emocionante e rápido que um canhoto que está aprendendo a se manter calmo. Claro que Sawamura melhorou muito de um tempo para cá, mas ainda não é valorizado o suficiente para ganhar o monte.

Eu não vou nem citar o Kawakami, que acredito que seja o mais fraco dos três, e como finalizador (usam esse jogador para arremessar nas duas últimas entradas) pisa na bola às vezes por não ter nem controle, e muito menos saber relaxar em jogo.

Na verdade, eu deveria fazer um artigo juntando os episódios 2, 3 e 4, pois um é continuação do outro, então começo essa outra parte admitindo o mole que dei. Enfim, todo mundo comete erros, não é mesmo?

Mas voltando à vaca fria, o jogo entre os Colégios Komidai Fujimaki e Seidou já havia sido definido na sétima entrada. Mesmo assim, todos os jogadores do Seidou tentaram defender a sua equipe não importa como. Os pensamentos de todos os rebatedores eram os mais transparentes possíveis, e Furuya tentou proteger com seus arremessos “formidáveis”.

Lembrando que é a primeira vez que o Furuya arremessa em tantas entradas.

Mesmo com todas as intenções de vencer unidas, Seidou perdeu, cedendo duas corridas ao colégio adversário. No começo, eles provaram de seu próprio remédio, já que Hongo conseguiu enganar a todos com sua slider, bola de efeito que passa por baixo da rebatida do adversário, além dos arremessos a mais de 150 km/h, mesma velocidade que o Furuya.

O que chamou a atenção no episódio não foi a equipe perdendo no Koshien, os lances macabros ou o Sawamura parabenizando a equipe adversária por ter derrotado o Seidou (?), e sim a frustração de Eijun não ter conseguido subir no monte um minuto sequer.

Momento ? do episódio.

O jogo entre os dois colégio se tornou mais uma “batalha de velocidade entre ases” que qualquer outra coisa que se tenha visto, e um canhoto não teria vez. Não tê-lo colocado no lugar mais importante de sua vida, e permanecendo no local de aquecimento, Sawamura remoeu toda sua frustração durante e após o jogo.

A coisa mais importante que ele tirou do Koshien de Primavera foi um punhado de terra do local de aquecimento. Com isso, os representantes do Japão perderam após a pressão lançada sobre eles, e agradecem por terem participado de algo tão significativo.

Olhar de quem queria ir para o monte, mas não teve chance.

 

Sobre a ordem dos rebatedores:

A obra nunca teve nem um “a” sobre isso, uma característica muito importante para os jogos de beisebol. Pesquisando melhor, dá para saber porque cada um dos jogadores está na ordem de rebatida.

  • Primeiro rebatedor: ele é o jogador de largada. É o jogador que corre mais rápido entre as bases. O Kuramochi é sempre o primeiro a rebater (não é à toa que o Sawamura o chama de “guepardo”).
  • Segundo rebatedor: ele é o rebatedor de contato. É o jogador que que não é eliminado por strikes, permitindo com que o primeiro jogador avance mais uma base. Esta é a posição do Toujou.
  • Terceiro rebatedor: ele permite (ou tenta permitir) com que os outros dois rebatedores avancem uma base, pois é, normalmente, o melhor rebatedor do time. Esta é a posição do Haruichi.
  • Quarto rebatedor: ele é o rebatedor de limpeza. Também é um dos melhores rebatedores do time, tendo normalmente a maior potência na rebatida. Ele quem tem a maior capacidade de fazer um grand slam, ou simplesmente um home run, pois permite com que suas jogadas sejam jogadas para fora do campo (dependendo da bola) e sede corrida para todos os outros jogadores. Grand slam é a capacidade de fazer com que os 4 jogadores cheguem na base principal, enquanto o home run pode ser feito com dois jogadores em campo, caso o primeiro e o segundo jogador sejam eliminados enquanto correm. Esta é a posição do Miyuki.
  • Quinto rebatedor: ele é o segundo melhor rebatedor de potência, seguido do quarto. Ajuda a “proteger” o rebatedor de limpeza. Furuya ficou nesta posição.
  • Sexto rebatedor: assim como o segundo, ele também é um bom rebatedor de contato. Tem a capacidade de fazer com que os jogadores passem para a próxima base. Posição do Shirasu.
  • Sétimo rebatedor: não tem tanta potência quanto os outros jogadores, mas costuma ter excelente defesa. Kanemaru fica nesta posição.
  • Oitavo rebatedor: é um dos jogadores com menos potência do time, mas deve estar preparado para situações de tensão, como quando dois jogadores são eliminados e ele precisa ceder mais uma base para o próximo jogador. Yamaguchi estava nesta posição e foi trocado pelo Masamune.
  • Nono rebatedor: normalmente coloca-se o rebatedor que está jogando no momento nesta posição. Mas também pode-se colocar um Jogador Designado (DH) para que tome esta posição só por conta do ataque. Esta já foi a posição do Sawamura, mas como ele não jogou, foi a do Asou.

 

A animação do início ao fim do jogo entre os dois colégios foi bem estática, me dando um pouco de raiva, mas também estou muito feliz por poder rever todos os personagens outra vez. Que venham os novatos!

Muito obrigada por lerem até o final, e nos vemos no próximo artigo! o/

  1. Avatar

    Sobre Sawamura “parabenizando” o outro time jdjddk isso é normal dele, mas acredito que a tradução melhor seria “parabéns, vocês deveriam se orgulhar de vencer a gente, pois é uma conquista formidável”, como se fosse sido algo totalmente difícil para eles. No mangá foi essa a tradução mais coerente e que condiz com Sawamura djsksj

Comentários