Infelizmente Gotoubun acabou (o anime, é claro). E eu deveria ter feito essa resenha há algumas semanas e infelizmente não deu. Mas enfim, vamos para o que interessa, Gotoubun no Hanayome. A obra foi produzida pelo estúdio Tezuka Productions (Dororo, Dagashi Kashi e outras obras do grande Osamu Tezuka, por incrível que pareça). A história é uma versão animada do mangá de mesmo nome, conta com 12 episódios e acabou sendo uma bela adaptação do material original. Aliás, foi feito um artigo comparando o mangá com o anime com alguns spoilers do que acontece depois do final e você pode conferir aqui.

Faça a sua escolha!

Podemos classificar Gotoubun da seguinte maneira: é basicamente um harém com muita comédia e um pouco de romance envolvido. Mas obviamente não para por aí, afinal, não são 12 episódios de uma história rasa que não vai para lugar algum. Seguimos a história de Uesugi Fuutarou, um garoto de boas notas e pobre (te lembra algum anime dessa temporada atual de abril de 2019?). E por ser pobre mas ter boas notas ele acaba conseguindo um trabalho como tutor, onde irá ganhar um salário bem gordo e assim, conseguir aliviar o setor econômico de sua família.

Sempre bom, né?

E aí começam os problemas de Fuutarou. Ok, ele vai ganhar um ótimo salário, mas em contrapartida terá que lidar com quíntuplas que além de terem problemas em matérias diferentes, não querem cooperar de maneira alguma. E os motivos no geral são bem aleatórios e são basicamente uma desculpa boba para apresentar as particularidades de cada uma das garotas. Elas são completamente diferentes e com isso, Fuutarou durante todo o anime tenta conseguir a cooperação delas para superar os desafios impostos pelo pai das garotas, que obviamente espera bons resultados.

Apesar de tudo o Fuutarou tem sua parcela de culpa também

Sobre as garotas, temos personagens bem interessantes que tem traços clichês mas nada que seja um ponto negativo. Das cinco, temos uma atriz novata tentando conquistar seu espaço (Ichika), uma mais tímida que podemos chamar de otaku (Miku), outra que você pode considerar como uma garota popular e afins (Nino), a imperativa que ama praticar esportes (Yotsuba) e por fim, a garota que ama comer (Itsuki).

A ordem é esquerda para a direita

E dentre elas, temos a personalidade onee-san/irmã mais velha (mesmo tendo a mesma idade que as outras), a elétrica que não para quieta, a tsundere e por aí vai. Durante boa parte o Fuutarou sofre bastante para lidar com cada uma pois além das personalidades, tem as notas que precisam aumentar a todo custo. Cada uma delas possui uma matéria onde vai muito bem e no fim, elas acabam se completando. E apesar de parecer que a quantidade de episódios é grande demais para desenvolver todos os personagens importantes, pode-se concluir que é justamente o contrário.

Interessante é que na teoria elas poderiam se juntar e suprir as carências umas das outras

O anime adaptou o mangá até uma parte onde houve um desenvolvimento básico em cima dos personagens. No fim eles se dão bem, mas ainda falta uma profundidade maior pois sabemos apenas o básico sobre cada um. Não há revelações sobre as pretensões do Fuutarou ou a maioria das garotas, muito menos um foco real nas provas que ao menos deveriam ter sua importância e no fim, são apenas um artifício usado em momentos importantes e decisivos mas que no resto é deixado de lado.

Também temos um passado em comum intrigante

E a obra consegue trazer bons momentos de comédia, com situações dignas de animes com ecchi bem leve (sim temos cenas de fanservice mas nada que incomode quem não gosta). Já em relação ao romance, há uma progressão bem lenta e que sinceramente não acontece nada relevante no final das contas. Algumas garotas mostraram um interesse no Fuutarou, outras escondem ou não aceitam a ideia de ter tais sentimentos e ele… bom, ele é tapado né. Não que tenham grandes indícios de que alguma garota goste dele para que o mesmo descubra, mas ainda assim, é visível o nível de cegueira do jovem cidadão. O triste é que para vermos o romance de verdade que a obra pode nos proporcionar devemos recorrer ao mangá.

É sério, leiam o mangá!

E além dos pontos negativos citados, temos um outro problema: a parte técnica. Em alguns episódios do meio deixa a desejar e temos algumas cenas ruins visualmente falando. Felizmente a qualidade volta a ser boa nos episódios finais onde os melhores momentos se encontram. Ah, e se você achar que a progressão é lenta demais, culpe as quíntuplas por isso.

Sim, a culpa de todos os problemas é exclusivamente delas, já que o Fuutarou é um santo (ou não…)

No fim das contas Gotoubun é um harém divertido de se acompanhar. É uma obra que vem fazendo sucesso e não faltam justificativas para tal. Infelizmente o maior defeito da obra é que ela acabou e não há uma previsão de sequência, algo que considerando o material disponível é uma lástima. Enfim, confira esse anime e escolha o seu lado (Nino, Miku e Yotsuba são as melhores opções, só para constar).

Se nenhuma dessas duas são as suas favoritas, você está errado. Veja tudo novamente e leia o mangá!

  1. Avatar

    Eu vi todo o mangá e prefiro a Itsuki e a Nino e não me considero errado meu caro ksksksk. Excelente post Kirath, falando sobre essa maravilha, inclusive há o rumor que dia 5/5 irão anunciar segunda temporada do anime!

  2. Avatar

    Bom, 1/2 já é alguma coisa hahaha. E sim, eu vi esse rumor e confesso que as esperanças estão altas o bastante para que eu fique com medo de não acontecer.

Comentários