Bom dia!

Meu primeiro artigo, do primeiro anime da nova temporada que assisto. Um anime comemorativo para os 50 anos de Ashita no Joe, um clássico de boxe. O que Megalo Box tem de Ashita no Joe? Até onde eu sei, nada. Mas não sei nada de Ashita no Joe. Suponho que em comum tenham apenas, talvez, o clima? E o boxe, claro. Bom, não exatamente, já que não se luta boxe aqui, mas sim megalo box.

A tecnologia avançou o suficiente para que possamos nos esmurrar com ainda mais violência. Por quê? Provavelmente porque deixados aos seus próprios meios é isso o que sempre farão aqueles que detém o poder. A presidente da Shirato pode dizer o que quiser, mas como exatamente seu exoesqueleto ajuda no avanço da sociedade? Claro, aposto que essa tecnologia pode ter diversos outros usos, vários deles muito mais nobres e pacíficos. Mas não é como se alguém realmente se importasse com isso. Seus críticos públicos, que gozam de uma vida no mínimo digna,  dizem que o que ela promove é apenas “selvageria”. O protagonista, um cidadão de segunda classe, compara a “briga de rua”.

Ninguém toca no fato de que apesar de quaisquer avanços que a tecnologia e o progresso possam ter trazido, a sociedade parece estar mais dividida do que nunca. Existem os privilegiados da casta superior que podem se horrorizar com a “selvageria”. E existem aquelas da casta inferior, despossuídos de tudo, vivendo em um mundo muito mais selvagem do que qualquer ringue de megalo box. Junk Dog está cansado de pertencer à casta inferior, mas mais do que isso, está cansado de tratado de forma paternalista. Se deixar levar para sobreviver ou lutar contra o ciclo vicioso que aprofunda o abismo social?

Frustrado após entregar mais uma luta, Junk Dog corre com a sua moto em, provavelmente, mais uma viagem sem rumo auto-destrutiva. Se ele não consegue destruir nada com seus punhos durante as lutas, pois é proibido por negociatas sinistras por baixo dos panos, então ele se auto-destrói após as lutas. É a forma que ele encontra de aplacar sua fúria por sentir que ele está em um caminho sem volta e não sabe para onde essa estrada o levará. No começo do episódio, o levou ribanceira abaixo. No meio, o levou até o escorpião – por pouco ele não atropela Yukiko Shirato.

Como esperado de alguém da classe dela, aquilo não a incomodou de forma alguma. Ela poderia ter perdido sua vida, mas se sente de tal forma acima do bem e do mal que é como se isso sequer tivesse passado por sua cabeça. Ao invés, ela está preocupada, de forma sincera ou não, com Junk Dog. Quer ressarci-lo por seus danos. Fingir de morto e se acovardar? Ou se rebelar? Ao contrário do verme, Junk Dog escolhe se rebelar. Ao final do episódio, Yuri, o preferido e aparentemente a mão direita de Yukiko, ou talvez seja melhor dizer a pinça direita, vai tirar satisfação com o cretino de segunda classe que ousou não aceitar passivamente a bondade de sua mestra.

      • Fábio "Mexicano" Godoy

        É mais um lance de superação pessoal do que exatamente de esporte. O esporte é a forma escolhida para representar isso, apenas.

      • Achei insano, o uso de um Exosqueleto, por parte dos lutadores. Se apenas com um par de luvas, os socos podem gerar ferimentos graves, imagine-se se as mesmas são auxiliadas por uma força mecânica. O melhor deste primeiro episódio, foi o clima mais adulto e as osts.

      • Normal, ao fim de uns socos bem dados na zona da cabeça, qualquer lutador ou campeão de box, fica com as ideias fora do lugar.

  1. Eu nem era para ver este anime, mas depois do lançamento do artigo de primeiras impressões dele, pelas mãos do mestre Fábio e com uma nota tão elevada, tive que ir ver o primeiro episódio de Megalo Box.
    Vi o episódio e não me arrependi, a animação não é muito boa, mas é tudo compensado pela trilha sonora de qualidade, uma história interessante e melhor ainda, os personagens têm carácter.
    Espero ver este anime comentado aqui.
    Como sempre, mais um excelente artigo de primeiras impressões Fábio.

  2. Senhores prazer imenso em encontra-los novamente!!!
    K-San compartilho o mesmo gosto, também não sou muito fã de anime de esporte (muito menos dos atuais). Mas esse tem uns “catchs” e alguns “sabores” gostosos do passado, explico:

    1- A variação de desenho de personagens. Notaram como o personagem Yuri e Shirato lembram os animes dos anos 70 e 80 e convivem com personagens digamos de desenho mais atual como Junk Dog. Foi a primeira coisa que me cativou.

    2- A Trilha Sonora é outra, criativa, mantêm o clima das cenas.

    3- A edição cinematografica do anime (pelo menos desse primeiro capitulo). Com aquelas pitadas de diretores conhecidos, aquela cena do soco em pausa no Junk Dog foi puro De Palma, fora outras que lembram Win Wenders (só tá faltando um Tarantino na receita).

    4- O uso de anacronismos (mundo no futuro, mas o cenário em algumas cenas com elementos de passado), essa é a melhor parte. Não dá para não se lembrar do amado, idolatrado e todos (inclusive gente que eu conheço que não gosta de nenhum anime se rende a esse) gostam: Cowboy Bebop (as vinhetas de meio de episódio logicamente vieram de lá).

    5- Outra lembrança de Cowboy Bebop. Junk Dog, o Abunachi e o “treinador caolho” troque por Spike, Jet e Faye a quimica deles é a mesma.

    6- Menção honrosa: é uma obra de Ikki Kajiwara, o cara que escreveu Ashita no Joe, mas que muitos (claro não estavam neste mundo para ver) aqui no Brasil devem se lembrar tambem escreveu um manga e depois um anime (foi uma grande epoca do anime aqui no Brasil): Sawamu, o Demolidor (Kick no Oni). Eu não perdia um episódio na TV Record lá nos anos de 1975.

    Por tudo isso…Acho que temos um campeão mundial!!!

    Abraços a todos!!!

    P.S.: Ashita no Joe pelas minhas memórias não passou no Brasil (posso estar errado). Mas via sempre na video locadora a serie completa em Betamax. (já perceberam né como sou velhinho…)

  3. Me lembrei o ‘treinador caolho’ se chama Gansaku Nanbu. É esse o trio: Junk Dog, Abunachi e Nanbu!!!
    Mas quem vai ser o Ed? Brincadeira, não precisamos do Ed aqui…KKKK

  4. Alias, aquela cena do confronto do Yuri com o Junk Dog na estrada o que foi aquilo!!! Olha, não sei como será o andamento do anime daqui para frente. Mas esta cena já está na minha coleção de cenas antológicas!!!

  5. Mas fica aqui um registro (que alguém ache interessante…) animes de esporte pegam a gente muito na infância e na adolescência. Mas basta adicionar mais dramaticidade e cinematografia e como o K-San disse com senhorial propriedade “carácter” e sim…Podemos dizer…”Habemus uno HIT” (meu latim não é lá essas coisas…)!

  6. Gente desculpe meu entusiasmo com Megalo, mas a trilha sonora só para constar me lembra muito as composições do Hans Zimmer, aquele que criava ambientes de mega tensão em Batman, Inception e por aí vai…Um Oscar não se consegue numa caixa de sucrilhos (curioso como chamam sucrilhos em Portugal?)

      • Fábio "Mexicano" Godoy

        Sucrilhos aqui é só marca da Kellogg’s também, mas de tão popular acabou virando o nome comum para cereais matinais (deve ser isso que você quer dizer com “pequeno almoço”). É o mesmo raciocínio com lâminas de barbear, que chamamos de “giletes”, por causa da marca Gillette.

      • Por curiosidade visitei o site da Kellogs Iberia, aí se chamam Frosties? Prefiro Sucrilhos…Bem, mas não estamos aqui para discutir flocos de uma massa de milho barata liofilizada com açúcar para matar um diabetico em 36 segundos…KKKKKKKK Se bem que uma vez totalmente breaco lá nos meus 20 e poucos anos fiz uma tigelona de Sucrilhos com licor de Chocolate Stock…E não é que foi maravilhoso!!! KKKKK Crianças por favor não tentem isso em casa…Mas que não me aguento pelo proximo episodio de Megalo valha Nossa Senhora do Zolpidem (será que fica bem nos Sucrilhos de manhã?KKKKKK).
        Espero ver todos aqui na proxima!

      • E por favor nem tentem misturar Sucrilhos com licor Amarula…Não me responsabilizo pelas consequências…KKKKKKKKK

Discussão