Lostorage está cumprindo e talvez até superando minhas expectativas com suas regras atualizadas, a volta da vilã “pau para toda obra” e o bom ritmo com o qual está desenvolvendo a sua trama. Se as protagonistas originais ainda não despertaram, a Kiyoi não deixa a peteca cair e mantém o show em alta ao encarar suas inimigas, seguindo pelo único caminho destinado a uma selector: o das batalhas!

Me diverti muito com essa cena e estou colocando essa imagem aqui só por isso mesmo.

Carnival não deve ter perdido a luta com a outra selector desagradável, mas isso fica em off para dar lugar ao que seria o primeiro estágio dessa nova batalha na qual apenas algumas selectors obtiveram novas LRIGs e o jogo foi atualizado. É certo que vai haver uma segunda leva de selectors – a prévia já deixou isso claro – e a provável explicação para isso é a vontade do que – ou de quem – está por trás das batalhas agora. Prevendo os caminhos perigosos desse jogo sem fim a Yuzuki e a Hanna buscam informações que sejam úteis enquanto a Ruuko e a Suzuko tentam viver suas vidas normalmente, achando que não tem mais nada a ver com isso e que não devem mais se envolver com as batalhas.

Em outras circunstâncias, eu diria que o encontro entre as duas amigas das protagonistas foi forçado, mas era uma loja de cards de WIXOSS e elas moram na mesma cidade, então não é surreal elas se conhecerem, e faz ainda mais sentido terem cautela em deixar transparecer que sabem de alguma coisa. Elas já sofreram muito nesse jogo e não querem se expor e quem sabe até forçar a volta das amigas as batalhas, sendo que a Hitoe já voltou – e já está até se preparando – e a Hanna também.

Foi mal Hanna, mas o meu coração é da Yuzuki ❤! E cadê o Kazuki mesmo?

Aliás, as novas regras foram bastante interessantes porque no geral são bem simples e não devem interferir na dinâmica das lutas em si, no máximo adicionar uma nova possibilidade: a de capturar a LRIG da adversária. A ideia de que a própria selector pode virar LRIG por um momento para selar a vitória se assemelha muito ao que acontecia quando se formava uma Garota Eterna e, como lá, isso pode render situações em que mesmo que a key card seja ativada não necessariamente a LRIG do outro lado será tomada – como nem sempre a Garota Eterna em vias de se tornar uma realmente virava –, além de que rende uma abordagem interessante frente ao objetivo do organizador do jogo atual. Ele quer a chave para abrir a porta do coração, então seria o key card esse coração no qual se encontram as memórias das selectors e uma espécie de prisão para as suas LRIGs? Quem conseguir destravar a porta mais bem trancada será aquele que terá o destino dessas batalhas em suas mãos?

Um dia selector e no outro LRIG? Parece que não é mais assim não…

O conceito de unlock – título da excelente abertura do anime – se integra bem a trama agindo como o diferencial dessa batalha que naturalmente vai convergir ambas as mocinhas e ambas as vilãs das duas fases do anime, tendo na Kiyoi aquela que, ao que tudo indica, construirá um novo caminho. É muito provável que seja um caminho no qual o desespero terá seu fim, como ela quer – mesmo que ainda tentem lançar mais animes da franquia para fazer mais e mais dinheiro –, e tudo acabará bem. Entretanto, é certo que muita dor e sofrimento vai acometer essas garotas até esse bem-vindo final.

Modificar design é uma coisa importante se a franquia quiser se renovar sempre.

A Akira – que eu adoro odiar – é o exemplo perfeito de personagem que sempre tenta puxar o tapete dos outros, mas acaba mais é tendo o seu puxado, sempre com uma atitude agressiva e egoísta que a torna ainda mais interessante no momento atual no qual várias personagens devem tentar parar as batalhas, restando ela e a Carnival como forças opositoras que buscarão o confronto indiferentes aos riscos que trarão as outras e a si mesmas. Foi ótimo ver uma selector enfrentando a sua antiga LRIG e demonstrando que dá sim para ensinar truques novos a um macaco velho, mas que, mesmo que se trate de um macaco que evoluiu, velhos hábitos nunca mudam e expõe a verdadeira personalidade.

Adoro sentir raiva da Akira, porque acho ela uma ótima personagem! #AkiraForTheLoss

A Kiyoi e a Piruluk se unirem como LRIGs para vencer e tirar – deve ser apenas temporariamente – a Akira do caminho foi o grande momento desse episódio porque agora a distinção entre selector e LRIG tanto fica mais tênue quanto se acentua. De um lado existem ex-LRIGs que viraram selectors e terão um papel importante nessa batalha – Kiyoi, Carnival, etc – e isso causa certa distinção entre um grupo e outro, e do outro temos selectors que irão experimentar a sensação de se tornarem LRIGs e ainda tomarem “posse” de outras LRIGs, o que não torna tudo uma guerra entre classes diferentes, mas sim uma em que as diferenças entre elas desmoronarão ao mesmo tempo em que se tornarão combustível para agitar as batalhas e promover variadas formas de interação entre as personagens.

Não acredito que ter a LRIG roubada exclua completamente a selector das batalhas e a “segunda onda” de selectors que será (re)criada deve ser acompanhada de uma terceira, quarta, quinta e assim sucessivamente caso as batalhas não sejam paradas; cabendo as heroínas resolverem essa situação.

Garota Eterna é coisa do passado, agora a moda é unlock e coin beat!

Não posso esquecer que já foi mostrado um caso de uma LRIG – a qual espero que seja a Ulith, pois já ficou claro que não é a Akira mesmo – que influenciou a sua selector, da Tama que agora é apenas uma garota normal e ainda assim aparece como LRIG na abertura, e que até agora só as memórias é que parecem estar em jogo, mas não seria impossível existir uma “armadilha” escondida nas regras.

O retorno da Tama a sua forma de LRIG para batalhar – isso deve acontecer, seria muito difícil não considerar ridículo caso não acontecesse – é algo que deve vir para acrescentar – é bem provável que novamente a Tama seja a chave, ou uma das, para parar as batalhas – a esse jogo ainda mais perigoso que está tomando forma e terminar o episódio com uma eminente batalha entre Kiyoi e Carnival foi de criar ansiedade para o próximo, mas, sinceramente, espero que essa luta não ocorra para a Kiyoi não correr o risco de perder já no primeiro terço do anime. De toda forma, vamos ver o que nos apresentam de interessante, pois a franquia WIXOSS sabe ir mais a fundo no drama ao criar situações desesperadoras e é exatamente nesses momentos que suas personagens brilham. Sim, foi meio sádico o que eu disse, mas não me levem a mal, vocês sabem que é verdade! Até o próximo episódio desse anime que já começou atacando, fazendo bom uso das cartas que tem em suas mãos.

Descanse enquanto você ainda pode meu anjo, pois as trevas se aproximam…

Discussão