Tsuki to Laika to Nosferatu (Irina: The Vampire Cosmonaut) é um anime com uma sinopse no mínimo estranha, mas que executa sua história com seriedade o suficiente para fazer com que o público tema pelos protagonistas. Mas o final compensa o investimento emocional e de tempo?

Vou falar sobre tudo aqui nesta resenha, fique comigo e aperte o sinto, pois a viagem é para fora do planeta, mais exatamente pela atmosfera da Terra, junto de uma vampira (mesma voz da Rei de EVA), um idealista (realista), uma cientista louca (com a cabeça no lugar) e russos (de araque).

Ler o artigo →

takt op.Destiny é um anime em parceria dos estúdios MAPPA e Madhouse que serve como prequel para um jogo mobile da Bandai Namco a ser lançado em 2022. Na história acompanhamos Takt, Destino e Anna; três heróis que partem em uma aventura ditada pela música.

O anime chegou com ares de sensação em sua temporada devido a bela animação, principalmente nas cenas de ação, e a estrutura que lembra um pouco Fate, com o Conductor fazendo papel de Mestre e a Musicart de Serva. E nesse caso só tem “a” Musicart mesmo. Por quê? Não sei.

Mas a dedução óbvia é de que waifus vendem mais que husbandos, além de você poder shippar as duplas mais fácil assim. Em todo caso, o importante é que o anime tem seus seres “ferramenta de roteiro”, digo, as criaturas que movem a trama e justificam sua existência, os D2s.

Além disso, a história gira em torno dos protagonistas e do que a música, além das relações interpessoais que mantêm entre si, significa para eles. É uma carta de amor a música? Eu considero que sim. Tem suas passagens desafinadas e pouco inspiradas? Falaremos delas também.

Ler o artigo →

Quem nunca viu aquelas correntes de internet chatas onde sob algum risco pessoal temos que repassar a mensagem adiante? Aqui vimos exatamente uma dessas mensagens. E assim como no mundo real a reação mais sensata é apenas excluir a desagradável (e verdade seja dita, insuportável) mensagem.

O problema é que quando isto é feito as coisas começam a virar de cabeça para baixo, até o ponto de um país inteiro ser ameaçado por inimigos muito indesejados, tal qual ervas daninhas.

Ler o artigo →

O pilar do som se move sem fazer barulho, e era um ninja, só o Inosuke que é meio bicho do mato para se surpreender. Aliás, essa é uma das coisas que mais tenho curtido nesse arco, o contraste entre o exibicionismo e a discrição, presente em ambos, heróis e vilões.

Ler o artigo →

Que o Mirai é otário o suficiente para confiar na palavra de um assassino narcisista tipo o Metropoliman a gente já sabia, mas sério que precisavam manter essa babaquice de vírus no anime? É uma ideia tão ruim e de mal gosto que não veria problema se tivesse sido mudada.

Ler o artigo →

Sekai Saikou no Ansatsusha (o que importa para identificar o anime) é um isekai baseado em light novel que conta a história do assassino que reencarna em outro mundo como aristocrata, mas também assassino.

Nesse novo mundo o protagonista, Lugh, é invocado pela deusa para matar o herói que, segundo ela, se tornará uma espécia de vilão após derrotar o Rei Demônio. Uma premissa perfeita para um anti-herói, não é mesmo?

E o anime, entrega o que promete? Para um isekai contemporâneo comum (de protagonista overpower com harém) eu diria que Sekai Saikou é um pouco acima da média, pois segue uma espinha dorsal que estrutura a narrativa e se não a livra de problemas, pelo menos adiciona qualidades a trama.

Ler o artigo →