Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá, pessoal! Aqui quem vos escreve sou eu outra vez, Tamao-chan, e lhes trago mais um artigo sobre Fuuka!

Este terceiro episódio ainda continuou sendo bom, mas com mais aquele toque de Triângulo Amoroso, como o título “triângulo” sugere. Acho que aconteceram tantas coisas que pensei que não aconteceria nada nesse quesito. Até mesmo um acidente teve na praia onde eles estavam hospedados no fim de semana e fazendo um trabalho de meio período.

Além do mais, quem nunca trabalhou e não tem a mínima coordenação motora e atenção sabe o quão é difícil na primeira vez. Yuu passou por um sufoco neste episódio, enquanto Fuuka e Makoto estavam fazendo o seu trabalho com excelência. Aí passamos por uma fase de reflexão, com o protagonista se sentindo um inútil. Eu também fico assim de certa forma, mas vamos deixar de papo nesta parte e vamos para a seguinte, não é mesmo?

Bom, o terceiro episódio nos deixa com um misto de emoções (ao menos me deixou assim). Na primeira parte do anime, temos os 3 integrantes do Clube de Música tendo problemas com a compra dos instrumentos. Além disso, Yuu não sabe tocar nada (isto é, não é o que a opening diz, mas a gente torce para que saia tudo nos conformes. Eu que não leio o mangá espero por isso, embora muita gente se coce para contar spoilers lol). O mesmo é arrastado para um trabalho de meio período em uma praia (acho que só em anime mesmo para conseguirem emprego de meio período tão fácil. Se bem que foi com a ajuda de uma professora que eles conseguiram, mas vai saber).

E Yuu estava tendo certas dificuldades nos serviços que lhe eram impostos. Não conseguiu se concentrar na hora de anotar os pedidos, não os entregou corretamente, e até quebrou algumas louças. Enquanto Fuuka conseguiu se virar com sua habilidade atlética e Makoto conseguiu com sua desenvoltura (embora tenha rendido alguns flertes das garotas, mas ele deixou bem claro o que realmente quer). Mas aí temos a parte em que Yuu se sente um fracassado depois que o chefe dá uma dura nele, e a Fuuka vai consolá-lo!

Enquanto isso estava acontecendo, Koyuki estava fazendo uma viagem para realizar um show, e por coincidência (ou isso que o autor quis que eu pensasse), ela foi para a mesma cidade onde o protagonista estava hospedado. E não para por aí não! Ainda temos o fanservice na praia (que na minha opinião foi mais desnecessário quanto nos dois outros episódios que vimos) e o drama do afogamento (achei que a Fuuka que iria se afogar por causa da câimbra e não conseguir mais nadar, mas foi o Yuu que teve esse destino…), além do “primeiro beijo” da Fuuka na respiração boca a boca.

E ao final, temos o reencontro dos dois amigos de infância em uma noite chuvosa, o “abraço inesperado” dos dois e a Fuuka descobrindo tudo. Nossa, eu nem esperava que isso fosse acontecer, não é mesmo? Este episódio também tem muito clichê de anime de adolescente, mas acho que já já as coisas vão mudar de cenário.

Bom, para mim Fuuka foi uma das maiores estreias, apesar do ecchi deste ter me incomodado um pouco mais que nos outros episódios. Não vou parar de acompanhar por causa disso, e acho que ainda pode acontecer muita coisa interessante. Este episódio mesmo mostrou um certo potencial, e já deve chegar em uma parte onde não dá mais para voltar atrás.

Espero que tenham gostado do post e agradeço a todos que leram até aqui. Até o próximo!

  1. Fábio
    Fábio "Mexicano" Godoy

    O “vento feroz” no final é bastante simbólico: o vendaval começou quando a Fuuka chegou e os viu! Além disso, não me recordo bem, mas se não me engano o Yuu já a comparou a uma “brisa de verão”. E o “Fuu” do nome dela significa vento. Nada é de graça, mesmo no episódio de praia clichê =)

    E algo importante de anotar (não é spoiler porque vem desde os dois primeiros episódios): é verdade que a Fuuka e o Yuu são fãs da Koyuki (ele é amigo de infância dela, como poderia não ser fã?), mas os dois já gostam de música desde antes da Tama-chan estrear então não é por isso que a Fuuka decidiu montar uma banda. O Yuu era, junto com a Tama, fã da banda Hedgehogs quando criança, e os dois prometeram se tornar músicos para seguir os passos dos membros da banda. E a Fuuka não disse nada nem teve um flashback revelador, mas bom, quem escuta CD o tempo todo e gosta de música e canta barbaramente como ela não pode ser neófita no hobby, não é mesmo?

    No mangá o fanservice era menos evidente do que ficou no anime. Não que ele não tivesse todas essas mesmas cenas, inclusive o close-up na bunda da Fuuka – que, concordo, foi bastante desnecessário, mas por questão de tempo e priorização acabou sendo menos pesado. A cena do afogamento foi bem melhor aproveitada no mangá, mas ainda assim a melhor foi a cena da Fuuka reanimando o Yuu, que no anime ficou muito boa! Percebeu que enquanto conversavam a Fuuka estava na luz e o Yuu estava na sombra? =) A animação decaiu um pouco também, o que dá mais cara ainda de anime ecchi clichezão. Mas continue acreditando que vale a pena, juro!

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        João, obrigado pela visita e pelo comentário, mas por favor, evite spoilers, ok? 😉

        Mas quanto a sua pergunta, acredito que sim. Não faria sentido a história ser de outra forma.

  2. O que dizer deste terceiro episódio, eu gostei de 85% dele, se ele tivesse uma cena ou outra cortada eu daria nota máxima a este episódio. Eu já nem ligo ao fanservice, eu não gosto deste tipo de coisas em um anime que eu esteja a acompanhar e gostar, mas fazer o quê o fanservice já é coisa do autor, só basta aceitar. Mesmo assim o fanservive deste episódio, não foi nada por ai além, mesmo que previsível e corriqueiro. O velho cliché do episódio da praia, neste caso até que foi bom, principalmente para o Yuu desenvolver as suas capacidades sociais e comunicativas. A Fuuka nem se tem muito a dizer, só que ela sente qualquer coisa pelo Yuu, ela já quase nem disfarça. O outro membro da banda que agora não me recordo o nome, ele é super gente boa, só tenho pena que o anime continue a insistir em arranjar cenas em que o mesmo é gay, quem viu os dois primeiros episódios já sabe isso, não é preciso andar sempre a bater na mesma tecla.
    Eu achei aquilo do empréstimo da casa da professora para a Fuuka e companhia muito conveniente, mas ok ao menos deu para os três se divertirem. O Yuu pela maneira como olha para a Fuuka em biquini até parece que nunca viu o corpo de uma mulher, as reacções dele são muito engraçadas.
    A parte final, a amiga de infância do Yuu, não se apoiou nele por acaso, ela quando ouviu o Yuu a dizer que estava numa banda com uma garota, aposto que o botão da insegurança da Tama fez click. Se em alguma hipótese o anime parta para um triângulo amoroso, só sei que não vai acabar bem, para um viciado em celular e redes sociais o Yuu é bem requisitado.
    Como sempre mais um excelente artigo Tamao-chan.

Comentários