Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Sendo sincero, percebi que realmente não sei fazer boas introduções. Eu sempre fico enrolando para no máximo dar umas quatro linhas. Na verdade, acho que essa encheção de linguiça até mesmo atrapalha a qualidade da introdução — que já não é das melhores — sendo assim, acho que a partir de agora serei mais curto e direto, pois desse jeito é mais difícil de errar. Neste 3º episódio de Maid Dragon, tivemos: uma tsunami de novos personagens, “mudanças” e — já de praxe — muita comédia.

O 3º episódio de Maid Dragon já se inicia com Kobayashi fazendo planos para uma possível mudança de apartamento, pois com a chegada de Tooru e Kanna, o atual imóvel ficou pequeno demais. Após várias visitas em apartamentos disponíveis para serem alugados, Kobayashi escolhe um que possui um grande espaço livre em seu “terraço” (eu definitivamente esqueci a palavra correta). É importante notar que todas as escolhas de Kobayashi são completamente direcionadas às duas meninas dragões, desde se acomodar em um apartamento maior até escolher o mais agradável dos apartamentos.  

Após irem morar no novo apartamento, problemas comuns surgiram. Todos possuem vizinhos barulhentos, isso é normal, apesar de irritante, mas Kobayashi não estava acostumada com esse tipo de coisa, pois ela morava em uma apartamento bastante silencioso. Sendo assim, a pedido da protagonista, Tooru vai até o apartamento de cada vizinho e pede para fazerem silêncio. Os personagens em si, apesar de terem tido apenas uma pequena participação durante o episódio, não deixam de ser “novos personagens”.

Como se já não bastasse três novos personagens — totalmente secundários —, Kobayashi resolver dar uma festa em casa para fugir da comemoração do trabalho. A ideia em si veio de seu amigo otaku que trabalha junto dela. Por conta dessa festa, Tooru resolve convidar dois de seus amigos. No caso, não deu muito para conhecê-los, mas deu pra notar que ambos possuem uma visão muito errada da humanidade — do mundo normal — e são bastante divertidos.

Maid Dragon é um anime de comédia — e isso é bem mais que óbvio —, mas o anime também possui um toque de drama. Sutilmente as relações entre as três personagens principais vão “aflorando”. Neste episódio 3, pode-se dizer que o anime utilizou-se de simbolismo para criar o drama da cena, que no caso, é a cena onde as três dormem juntas na sala. O simbolismo que digo está presente nas falas e movimentos sutis das personagens.

A animação do episódio continua ótima. Neste episódio três, tivemos um bom número de sakugas, tornando o episódio muito mais bonito visualmente. Os novos personagens são divertidos e aparentemente vão ajudar muito na comédia do anime. Uma coisa que esqueci de comentar no episódio anterior é sobre o encerramento, que no caso, é muito bom, tanto visualmente quanto na parte musical.

O interessante de obras de comédia é que acontece muita coisa, mas o que eu notei nessas últimas três semanas é que é muito difícil falar sobre muita coisa em reviews relacionados a esses animes. Citar todas as piadas de Maid Dragon, por exemplo, se torna algo impossível, então, como eu já disse em outros artigos, é mais prático e eficiente escrever do jeito que estou fazendo. Então, para que o artigo fique completo de verdade, é importante vocês assistirem o anime também! Espero de verdade que tenham gostado do artigo.

  1. Este anime continua muito bom, cada vez mais, estou a gostar do trio principal do anime, a Tooru, a Kobayashi e a Kanna. Este episódio 3 continuou com uma animação muito bonita, não fosse caso, deste anime ser da Kyoto Animation, que neste género de anime nunca desilude (pelo menos em termos visuais, em termos de respeitar o material original, ai já não ponho as mãos no fogo por este estúdio). A parte da mudança de casa, que a Kobayashi teve que fazer, pois morar num apartamento T2 com 3 pessoas lá é impossivél. Mas ainda assim pouco realista, imagino o preço astronómico que seria alugar um apartamento daquele tamanho e num condomínio fechado, um funcionário de baixo escalão não teria dinheiro para pagar um apartamento daqueles. Os amigos da Tooru são demais, principalmente o Fafnir, o Dragão do tesouro e a outra Dragão com um nome complicado. Este episódio teve o descaramento de fazer uma versão de baixa qualidade do jogo, Dark Souls, ver as reacções do Fafnir a jogar esse jogo, foram bem realistas, quem já jogou Dark Souls sabe a raiva que esse jogo dá nas pessoas. A cenas onde o personagem que o Fafnir joga no jogo morre, são bem interessantes, ele morre no jogo porque não consegue evitar os baús do tesouro, coisa típica dos dragões. A Lucoa, parece ser o tipo de irmã mais velha, e diga-se de passagem que é bem afeiçoada de corpo, as reacções da Kobayashi com ela foram bem engraçadas. A Tooru no passado deve ter sofrido bastante, nunca poder ter um lugar, onde ela pudesse chamar casa, deve ter sido uma merda. Também, toda a gente sabe, onde havia um dragão haviam tesouros, claro que o homem ia à caça dos dragões e dos seus tesouros.
    A cena que mais gostei neste episódio 3, foi a cena da sesta da tarde, a Kanna como sempre em modo Kawai, e a Kobayashi como sempre séria, mas ainda assim gosta de ceder um pouco para a Tooru, as três a dormirem uma sesta no sofá juntas foi muito bonita.
    Acredito que seja difícil para escrever sobre um anime deste género, geralmente os slice of life não se tem muito para falar, são apenas acontecimentos do dia a dia dos personagens. Ao contrário dos animes de suspense, onde se cogitam várias hipóteses e motivos para cada acontecimento, faz-.se especulações e teorias e às vezes um debate nos comentários, para trocar teorias.
    Como sempre mais um excelente artigo Nomichi.

    • Concordo com você, o anime é pouco realista. Entretanto, é como eu disse, ela mudou de apartamento pelo bem das outras meninas dragão, é mais como se fosse uma prova de amor, sabe?

      Sim, os outros dois dragões são bem legais! Sinceramente, eu gostei mais do Fafnir, pois ele é mais carismático, sabe? Apesar de não aparentar. A Lucoa é muito linda~!!

      Sim, é bastante difícil escrever sobre animes de comédia e slice of life, estou passando por uma provação aqui.

      Desculpe a demora pela resposta e obrigado pelo elogio!

  2. Fábio
    Fábio "Mexicano" Godoy

    Assisti ontem e já comecei a brisar. Veja se acompanha meu raciocínio.

    Analisando a Tooru, me pergunto se todos não somos assim, meio dragão. Achamos que somos melhores que os outros, que as outras pessoas estão sempre erradas, que nunca aprendem nada, que merecem morrer, que o mundo seria melhor sem todas essas pessoas irritantes.

    Mas no fundo, ela é igual a todos. Bom, ela é um dragão, então não é igual de verdade, mas está vivendo como uma igual, enfim, deu pra sacar a metáfora, né? =D

  3. Também não tenho muito a comentar, mas aí vai:
    Kanna-chan é um monstro de fofura, adorei ela desde o episódio anterior, a cena do travesseiro foi bonitinha.
    Que relação terna há entre as duas! Apesar de que na forma de dragão as duas tenham o mesmo tamanho, a Kanna é mesmo um filhotinho.
    Kobayashi está gostando da companhia delas, vimos ela dando indiretas de que se ressentia da solidão, de que barulho ás vezes é bom e de que também estava sorrindo mais por causa da Tooru.

    Kobayashi não vale nada! Ludibriou a Tooru com aquela desculpa sobre a bagunça que fazia! xD
    Aliás, o mais engraçado é como isso ficou parecendo uma discussão de marido e esposa mais ainda com a Tooru preocupada com o mau exemplo sendo dado para Kanna-chan, a filha. xD

    Agora estou curioso sobre os outros personagens, Kanna-chan vai para a escolinha e vamos conhecer a coleguinha.
    Mas estou mais curioso sobre a outra dragoa que parece não ser conhecida da Tooru, pois não foi convidada para a festa e parece viver sozinha e trabalhando no mundo humano.
    E qual será a relação da Lucoa com aquela bruxinha? Como se conheceram? Será que ela é mesmo uma bruxa?

Comentários